08 mar
Mulheres Especiais: Feliz Dia!!!

flores_003

Uma data, poderia levá-la como um dia qualquer, mas se acharam por bem escolher um dia para nos homenagear por que não aproveitar, não é mesmo?
Aproveito para vir aqui nesse nosso espaço para exaltar nós mulheres especiais que sonhamos com a maternidade, que fomos chamadas a esse posto tão nobre e de puro amor, resolvemos um dia que estava na hora de amar mais, de cuidar de alguém como de si mesma ou até mais, dia de deixar de viver por si só para viver para outro, algo que não se explica para quem nunca sentiu esse chamado no coração. Dia em que decidimos que estava na hora de deixar de ser filha e passar a ser mãe, dia de ter um serzinho para chamar de nosso, e que esse mesmo serzinho nos chamasse da maneira mais doce do mundo através da palavra: mamãe!
Mas a vida é repleta de sonhos e esse sonho da maternidade para muitas, como nós, tarda em se concretizar e a angústia começa a apertar. Passam meses, passam as vezes anos, como assim foi comigo e com algumas de vocês, e o mais louco é que a vontade só aumenta. Desafiamos as limitações muitas vezes impostas no caminho porque nosso querer é maior do que qualquer impedimento, sabe por que? Porque amor de mãe já brota dentro da gente antes mesmo do filho chegar e esse amor suporta tudo! Amor esse que nos faz surpreender com nós mesmas, que nos faz saber que somos mais fortes e determinadas do que nós próprias imaginássemos. Caímos e levantamos. Recebemos um não e buscamos um sim. Encaramos um negativo, com a certeza de um positivo em algum momento, e isso nos faz seguir! Em alguns momentos mais fracas que em outro, é verdade, mas seguimos porque bem sabemos onde esse caminho irá nos levar…
O querer ser mãe nos basta para erguer nossas cabeças e enfrentar tudo e todos, somos mulheres especiais, mulheres guerreiras, mulheres determinadas, apesar das feridas colhidas no caminho não nos deixamos abater por completo, como bem diz uma música aqui no Nordeste: “somos madeira de lei que cupim não rói”!
E hoje, no dia internacional da Mulher, não posso deixar passar para enaltecer a todas nós que bravamente lutamos pelo sonho da maternidade! Umas que já conseguiram mas que levarão para sempre a marca dessa luta, outras que estão em plena caminhada.
Um feliz dia, na certeza de que se você quer ser mãe você irá conseguir. Desistir jamais!
Feliz dia bravas e lindas guerreiras!!!
Com carinho e um beijo no coração de cada uma,
Taci

23 nov
Microcefalia: Questionamentos e MINHA opinião

microcefalia

O Brasil vive uma emergência nacional em saúde. Centenas de crianças no Nordeste nasceram nos últimos meses com cérebros menores do que o normal. É a chamada microcefalia.

Por morar em Recife, e Pernambuco ser o estado da grande maioria desses casos, venho recebendo emails de algumas seguidoras me questionando várias coisas, me pedindo conselhos e dividindo também suas angústias. Prevendo que algumas gostariam de entrar em contato comigo e não o fazem, resolvi então repassar para todas alguns posicionamentos meus sobre esta situação preocupante e atual.

Você evitaria, caso ainda estivesse tentando engravidar?

Evitar engravidar para quem está há algum tempo sonhando com isso é MUITO difícil. O prudente conselho do Ministério da Saúde é que todas mulheres evitem a gravidez neste momento.

O que eu acho que faria… Eu daria uma pausa nos tratamentos de reprodução assistida, trataria de encarar isso como umas “férias” para mim e para meu esposo em relação a este tema. Muitos casais necessitam dessa pausa para respirar, se recompor de toda essa ansiedade e, em alguns casos, de algumas frustrações também, e seria então uma boa “desculpa” para esse descanso. Se eu evitaria de outra forma? Acredito que não, estou sendo sincera, de repente não estou sendo responsável como deveria, mas não seria capaz de por exemplo tomar anticoncepcional ou fazer meu marido usar preservativo para evitar uma possível -e remota – gravidez.

Caso engravidasse neste momento como encararia?

Com muita felicidade! Afinal era o que mais sonhava na vida! Sei que não seria o momento mais “apropriado”, mas se foi o que Deus permitiu encararia da melhor forma! Desde o primeiro minuto com muita precaução, seguindo a risca os conselhos do meu obstetra. Os casos de contaminação por zika vírus registrados no primeiro semestre são a “principal hipótese” para explicar o aumento da ocorrência de microcefalia na região Nordeste, e devido a isso a recomendação é se prevenir ao máximo das picadas de mosquitos. Como me conheço, não entraria em pânico, mas exageraria nos cuidados, utilizando sempre o repelente indicado, vestindo roupas que cobrissem a maioria da pele do corpo, e evitando lugares mais propícios da presença de mosquitos.

E se ainda estando grávida e descobrisse que seu bebê nasceria com microcefalia?

Não deve ser nada fácil! Qual mãe deseja ter um filho com deficiências? Ninguém, não é mesmo? Após “digerir” a notícia o seguiria desejando e amando, afinal seria MEU filho e esta seria uma prova de aprendizado e muito amor, para vida toda. Uma seguidora me perguntou se fosse ainda possível, ao confirmar, se eu abortaria, e eu lhes respondo com toda certeza do mundo: JAMAIS!

Esses foram os resumos das perguntas mais questionadas e respondidas sobre este surto de microcefalia.

Por outro lado, quanto a decisão de adiar algum tratamento de reprodução assistida (que assim eu o faria) já estou sabendo que duas renomadas clínicas do Recife que já estão procedendo com a indicação para as pacientes adiarem transferências embrionárias para o próximo ano, aguardando assim um posicionamento mais contundente do Ministério da Saúde, postura admirável e de extrema seriedade e responsabilidade.

Torcemos que em breve a situação já esteja controlada! Amém?

E termino este post trazendo para vocês um texto belíssimo de uma mãe de uma criança portadora de Microcefalia, texto este escrito com muito amor, e que nos faz repensar algumas posturas frente a esta enfermidade que tem assustado tantas mulheres… Com vocês o texto que Ana Galvão Janiszewski publicou na sua página de facebook na semana passada, para todos que queiram ler ter acesso a palavras tranquilizadoras, lindas e admiráveis em especial às mães, grávidas ou já com seus bebês diagnosticados. Definitivamente o amor tudo suporta, tudo vence!

“Diante desse “surto” de Microcefalia, eu, como mãe de uma criança com a “doença” gostaria de me pronunciar sobre isso. Não sobre a causa mas sobre as consequências.
Minha vontade é pegar na mão de cada mãe que está grávida ou que já está com seu filhinho nos braços que possui microcefalia olhar nos seus olhos e dizer: “Olha, o Pai Celestial te deu a oportunidade de saber o verdadeiro sentido do amor incondicional, amor puro.
Não se desespere, não há motivos para tristeza, angústia e questionamentos. Ame seu filho.
Pare de procurar culpados e motivos. Não perca seu tempo buscando a cura física, aceite pois ele é espiritualmente perfeito!..Apenas ame seu filho.
Fisioterapia, fono, Terapia ocupacional, neuro, são necessárias e vai fazer parte de seu dia-a-dia, mas “sem neuras” por favor.
Viva cada momento, aprecie cada conquista: ame seu filho.
Encare como uma característica particular, peculiar, um “jeitinho” especial de ser. Ame seu filho.
Sim, é provável que ele não ande, não fale, não frequente a escola e não seja convidado para as festinhas infantis… E daí? Você vai bastar no mundinho dele.
Você vai amar tanto essa criaturinha que sequer vai dizer que te ama… não com palavras… Na verdade você vai sentir esse amor em cada olhar, em cada sorriso. E aí você vai descobrir que o anjo que mora na sua casa você o chama de filho.”

Eu sou tão feliz pelos filhos que tenho, cada um especial… a sua maneira.”

 

15 nov
Abrindo o coração, após um café especial!

café

A pedidos relatarei brevemente sobre esta nova proposta de encontro do blog, que aconteceu no sábado da semana passada e foi uma DELÍCIA! Mas antes, já que não consigo resumir bem nada mesmo rs, venho lhes falar um um pouquinho de TUDO o que o blog tem causado na minha vida.

O blog vem tomando uma dimensão que me surpreende dia após dia, e só me confirma aquela sensação inicial de que estou no lugar certo, fazendo a coisa certa, sabe como é? O blog surgiu de uma “avalanche” de sentimentos que eu tinha dentro de mim, após a luta para conseguir engravidar durante 6 anos, a vitória após uma longa trajetória de tratamentos, cirurgias e outros detalhezinhos no meio do caminho, e a grande surpresa da minha vida ao engravidar – naturalmente – quando a minha primogênita tinha apenas 8 meses de vida! Os anos foram se passando após ter realizado duplamente o meu sonho de ser mãe, mas a vontade de gritar alto a minha história e levar esperança por aí me “incomodava”, eu tinha que fazer algo, eu não poderia passar por esta vida,  sem chegar mais “perto” de outras mulheres que estariam passando pelo que eu já tinha passado e sentido na pele. Não seria justo. Ao meu ver não seria legal “simplesmente” virar a página para ser a mãe das minhas preciosas filhas, eu tinha que encontrar uma maneira de contar a minha história e a história de muita gente que fui conhecendo no caminho, levando esperança a tantas pessoas que se sentem tão sozinhas nessa caminhada… Primeiramente veio a ideia de escrever um livro (que enfim está sendo escrito pessoal!) e em seguida, através de uma sugestão do maridão, surgiu o blog! E daí foi, e foi, e foi, e foooooi, e está sendo! Até hoje me surpreendendo e me dando vontade de quero mais!

Me lembro bem dos primeiríssimos posts, dos primeiros emails recebidos, das primeiras centenas de curtidas nas redes sociais, da minha emoção e surpresa ao confirmar que eu não estava enganada, que Deus me queria aqui, exatamente onde estou!

No início deste ano, senti que chegava o momento de se pensar num primeiro encontro presencial. Sabia que seria um grande desafio para mim, mas também sabia que deveria fazê-lo e lá fui eu! Para quem ainda não sabe, eu trabalho num Órgão Público e tenho várias outras tarefas mais na vida, sou esposa, mãe, filha, dona de casa, entre outras ocupações que demandam tempo e dedicação, e o blog veio para agitar tudo isso e definitivamente me fazer virar nos 30! Horas de sono a menos, leitura, pesquisas, responder a emails e mensagens diariamente (que faço questão!), e organizar aquele encontro de maio passado foi uma verdadeira loucura na minha vida! Digo que foi uma “loucura linda” porque valeu a pena todo stress, corre corre e dedicação para concretizar aquele encontro! Mais uma vez naquele momento confirmei de uma forma única o que venho sentindo desde o momento que decidi me “aventurar” a esta vida de “blogueira” (jura? ainda acho rara essa expressão “fashion” nessa causa tão delicada) que ama o que faz! Me surpreendi ao anunciar o encontro e de repente já ter vários parceiros me contactando e apoiando o projeto! Desde armar o coffee break, passando pela decoração, chegando brindes maravilhosos para distribuir com as presentes, até a confirmação rápida da participação da renomada médica em Reprodução Assistida aqui do Recife, Dra. Madalena Caldas, que virou seguidora e fã do blog desde os primeiros momentos, e abraçou também esta causa, me animando sempre a seguir! Foi muito lindo aquele momento!!!!! Mas hoje venho lhes falar de outro momento marcante para mim…

Não poderia fechar o ano sem outro encontro Maternidade Sonhada… Mas sabendo das minhas limitações neste momento referente a minha disponibilidade de tempo, e por analisar também a época de final do ano que complica para muita gente, pois caso fosse fazer no formato do encontro de maio, teria que marcar pelo menos para último final de semana de novembro para poder organizar tudo… Então me reportei aos encontrinhos que tanto frequentei provocados por mulheres que se conheceram através de bate papos na internet, na minha época de tentativas, e que TANTO me faziam bem. Já vinha com a ideia na cabeça há poucos dias, contactei um café charmoso que conheço para saber a possibilidade de reserva de algumas mesas e mais uma vez ousei! Tomando café da manhã na quarta-feira anunciei, através de um vídeo do jeito que estava na mesa de casa antes de sair para jogar tênis (sim! ainda arrumo tempo para me exercitar!),  um novo encontrinho Maternidade Sonhada para o sábado seguinte, ou seja para dentro de 4 dias logo após o anúncio! Logo após começaram a chegar alguns emails confirmando as presenças de algumas seguidoras. Por se tratar de um ambiente público algumas, apesar da expressa vontade de estarem presentes, se recusaram a ir, outras se animaram e confirmaram, e desde então meu coração ficou em festa! Eu sentia, eu tinha certeza que seria mais um sucesso, não um sucesso meu, um sucesso do resultado do blog em si, mas o sucesso desse sonho lindo que supera tudo! Que faz você correr atrás de buscar forças através de um papo com pessoas que sabem bem o que você sente, movido pelo amor por este serzinho que ainda você nem conheceu mas já o ama demais!

Antes de sair de casa, abracei o marido e ele me perguntou: “como será este encontro? você organizou algo para expor?”. Sorri, um sorriso tranquilo, eu bem sabia que não teria como dar errado, eu sabia que fluiria naturalmente, era a junção de mulheres com apenas um ideal, se unirem para se sentirem mais fortes e assim bem foi, como eu bem previa, aliás mais do que eu havia imaginado!

Cheguei ao café dez minutinhos antes do combinado e para minha surpresa já estavam “me esperando” duas seguidoras! E aos poucos foram chegando mais e mais… E cada uma que entrava já vinha me abraçar como se me conhecesse há muito tempo! Afinal “entro” diariamente na vida de várias de vocês através das redes sociais, para levar esperança, apoio, consolo e as vezes até um puxão de orelha, não é minha gente? E foi lindo demais! 3 horas sem intervalo de bate papo, de trocas de histórias de vida, de experiências, de dicas, de risadas e algumas poucas lágrimas, de emoção, de alegria por estarmos ali reunidas, de olharmos umas para as outras e termos a certeza de que somos “de verdade”! Meu palpite é que começarão encontrinhos isolados por aí e isso é bom demais! E vez ou outra eu provocarei também, claro!

Se valeu? Valeu MUITO! E já ficou a vontade para um próximo encontro, daqueles maiores… Aguardem para início de 2016! Já tem médicos maravilhosos confirmados inclusive!!! Este será aqui no Recife mais uma vez sim… Mas meu coração pede para eu pegar um avião quem sabe ano que vem… Será? Eu gostaria! Seja o que Deus quiser!!! Que venham as cenas dos próximos capítulos…

05 nov
Adoção: o que EU penso!

Nós 3 praia

Gente, há algum tempo sinto que algumas pessoas ficam intrigadas quando posto alguns artigos e mensagens referentes à adoção. E aproveitando o dia 9 de Novembro que se aproxima, estipulado como o Dia Mundial da Adoção, bateu a vontade de abordar e assim expressar minha visão sobre o tema por aqui.

Antes que nada lhes explico que o Maternidade Sonhada é um espaço de apoio à TODAS mulheres que sonham com a maternidade, sendo assim a maternidade pode se realizar tanto pelas vias naturais, gerando um filho através da gravidez, ou também através da adoção, onde curto muito a expressão “gravidez do coração”. Portanto, por isso, sempre que possa lhes abordarei também esta forma de sonhar e se realizar com a maternidade. Inclusive aqui no blog entre na Categoria “Histórias de Esperança” tenho alguns exemplos felizes da realização de mães através da adoção, e quem nos acompanha nas redes sociais observa o quanto trago artigos e casos sobre.

JAMAIS poderia me fechar para esta possibilidade, ao contrário, eu apoio, admiro e me emociono demais com os casos que se realizam através da adoção! Convivo com várias mulheres, mães de filhos adotivos, que para mim são exemplos dessa realização plena, e lhes garanto que a forma como eles chegaram a elas, se torna um mero detalhe diante de tanto AMOR. Definitivamente eles, como os filhos gerados na barriga, se tornam pedaços dessas mulheres, as realizando por completo.

Não cheguei a vivenciar a adoção na minha vida diretamente mas lhes confesso que ela já estava dentro do meu coração como opção, após tantos anos de tentativas nos tratamentos de Reprodução Assistida. Quando estava prestes a começar a agir para o possível cadastramento… engravidei! Tudo dependeria do resultado daquela última tentativa de fertilização in vitro que acabou dando certo. Mas com minha Nana tão bebê, por eu vir de uma grande família de 4 irmãos, me apertava o coração ao imaginá-la sem nenhum irmão na sua vida, e aquela vontade começaria a aflorar novamente, mas não tive muito tempo para tal, visto que engravidei de novo -naturalmente- quando ela ainda tinha apenas 7 meses de vida!

Me adianto, antes que por ventura alguém pense em me questionar: “se apoia tanto a adoção por que  não partiu diretamente para adotar?”. Porque eu sonhava com meu barrigão, e assim como eu qualquer mulher tem total direito de sonhar e correr atrás disso, que seria digamos a primeira opção para a grande maioria das mulheres. Claro que estou ciente que tem uma minoria que tem aflorado esse desejo pela adoção diretamente, o que acho super bacana, mas temos que concordar que o mais comum é primeiro o desejo de conceber, de ficar grávida, para só depois despertar para essa possibilidade de ser mãe através da adoção. E no meu caso, como na maioria, foi exatamente assim. Lutei durante 6 anos, me operei duas vezes, fiz uma inseminação, tratamentos hormonais, 3 fertilizações, muitas lágrimas pelo caminho, para chegar ao momento de consciência de que poderia optar pela adoção, o que não foi necessário porque justamente engravidei por dois anos consecutivos e me realizei por completo com minhas duas princesas.

Então, o que eu penso? Se você se sente tocada para a adoção, não duvide e corra atrás! Se você quer ser mãe e sonha em passar pela experiência da gravidez não poupe esforços! Qualquer que seja a forma está valendo a pena sonhar e lutar por ela, e uma coisa é garantida: independentemente da maneira que chegue o seu filho, ele assim será o maior amor da sua vida! Lhe fazendo sentir exatamente o que vivo reafirmando dia após dia por aqui: TUDO valerá a pena!

Meu desejo? Que o sonho da maternidade seja realizado para toda aquela que sonha com este momento. Um beijo no coração de cada mulher que bravamente está na luta pelo direito de se tornar MÃE! Às que estão na luta esperando nas filas para adoção muita paciência e paz na espera, e que as burocracias sejam menores e possa assim agilizar estes processos de espera que as vezes parecem ser infinitos… Às que estão nas tentativas através de tratamentos de Reprodução ou por vias naturais mesmo, que sigam em frente, mas se por acaso seu coração der um sinal de que possa estar “grávido” e aberto para adoção, não ignore este chamado…

Muita força, muitas ligações com boas novas com a chegada do momento do GRANDE encontro, e muitos positivos às que tanto sonham com este dia também! Topo meu apoio às futuras mamães, independente da forma que seja, sendo todas formas de amor, do amor infinito e incomparável, do amor de MÃE.

28 out
O Quadro de Fotografias

quadro

 

Na primeira vez que fui a uma clínica de Reprodução Assistida, meu olhar foi direto a um quadro repleto de fotografias de bebês, que muito me chamou a atenção. Este quadro estava bem na entrada, dando as boas vindas a todos que ali chegavam…

Me lembro que após entregar a documentação na recepção me sentei no sofá e aquele quadro me deixou inquieta, até que resolvi me aproximar e fiquei em pé durante longos minutos, extasiada em frente à ele. “Viajei” literalmente observando cada foto e foi inevitável não imaginar como seria o meu bebê, se pareceria a mim ou ao meu marido, se por acaso teria os belos olhos verdes da minha mãe ou o lindo sorriso da minha sogra… E em algumas fotos vi bebês nos braços do médico, médico este que naquele momento ainda nem o conhecia, mas que devido a bata branca me dava conta que era ele, quem estava prestes a me atender e “resolver meu caso”, era o que eu pensava… Depois de admirar várias fotos e babar muito, me aproximei e confirmei com uma recepcionista o que eu já imaginava: eram bebês provenientes de tratamentos naquele local, e aquilo encheu meu coração de esperança!

E assim era a cada ida àquela clínica, ficava imaginando somar mais uma foto ali, a foto do meu filho que em breve estaria gerando… Mal sabia que alguns anos e muita história pela frente me esperava ainda para poder, enfim, estar grávida.

Após aquela clínica cheguei a frequentar  3 clínicas a mais diferentes, e em duas delas, em algum lugar, constava um espaço com fotos de alguns bebês… Aquilo me enchia de esperança e de imediato minha mente sonhadora já arrumava um cantinho imaginário naquele novo quadro para já enxergar, com os olhos do coração, a foto do meu filho ali.

Lembro que em uma dessas clínicas o tal quadro se encontrava justo atrás da mesa do médico, eu me concentrava na consulta lógico, mas em algum momento me pegava “viajando” nas fotos, era inevitável… Me lembro que uma vez o médico observou  a cena, se deu volta para ver para onde eu estava com o olhar fixo e começou a me contar brevemente algumas histórias das mães daqueles bebês, histórias de mulheres com endometriose, parecidas a minha, e que tinham vencido! Naquele dia imaginem como sai dali… O sentimento de que eu também venceria me dominava!

São detalhes que ficam no caminho mas que levamos com a gente… São momentos de puro sonho e anseio pela hora da maternidade sonhada se tornar realidade, momentos esses que não se apagam da memória.

Ficou curiosa se enfim levei os retratos das minhas filhas para estarem expostos em alguma clínica? Acredite que não! rsrs  Após os nascimentos delas não tive espaço para sequer pensar naquele quadro e não me lembrei mesmo, vim lembrar anos depois! Acredito que porque suas presenças na minha vida preencheram qualquer anseio e superaram os mais lindos sonhados já sonhados algum dia,  em compensação tenho fotos delas pela casa, no celular, em vários álbuns, no computador.

Hoje sou capaz de lhes descrever cada pedaçinho das minhas filhas, as tenho gravadas na minha memória e no meu coração cada dia mais. Elas são minha realidade, são as provas de que vale a pena sonhar e de que não existe impossível para Deus. São minha inspiração diária para lhes escrever algo e tomar algum tempo da minha vida para lhes levar esperança e ânimo para seguir, porque tudo, absolutamente tudo será recompensado, quando enfim você se transformar em MÃE!

 

27 out
Apoio às Portadoras de Endometriose

endometriose

Lí um texto no site MulherEndo (Associação Portuguesa de Apoio a Mulheres com Endometriose), sobre a importância da família para a paciente com Endometriose, e achei de relevada importância para compartilhar com vocês:
http://mulherendo.pt/a-importancia-da-familia-para-a-pacie…/

Eu senti na pele o que é ser portadora de endometriose e bem sei o quanto não é fácil. Apesar da minha endometriose ter sido considerada severa (Grau 3) e meu caso ser atípico devido a não sentir dores agudas, o sintoma principal que sentia foi a infertilidade que me machucou MUITO emocionalmente, durante 6 longos anos de tentativas, entre tratamentos e cirurgias.
Acompanho casos e mais casos de mulheres que tem uma péssima qualidade de vida devido aos sintomas da endometriose, destacando as dores intensas que sentem constantemente e que lhes impede de viver uma vida digna e tranquila, afetando seu lado profissional, estudantil, afetivo, entre outros aspectos no seu dia a dia. E a família nesta situação pode fazer toda a diferença, dando o suporte emocional de estar ao lado, a entendendo e a fazendo sentir acompanhada nos momentos que mais necessita.
Eu tive a sorte grande de contar com um marido presente que me fazia sentir apoiada a todo momento, uma mãe super carinhosa e uma irmã anjo no meu caminho que fizeram minha caminhada mais fácil, mas bem sei que nem todo mundo conta com esse apoio e aqui venho ser solidária a dor de todas vocês, portadoras dessa doença que se espalha cada dia mais pelo mundo, devendo haver maior conscientização e respeito de todos.
Quanto a mim e a endometriose, após duas gestações praticamente seguidas, onde consequentemente tive duas pausas interessantes para controle da endometriose de 9 meses sem menstruar, fui orientada a colocar logo em seguida ao segundo parto o diu mirena, me adaptei super bem ao mesmo, não menstruo há 7 anos e a endometriose não dá sinal na minha vida, graças a Deus!
‪#‎euvenciaendometriose‬ ‪#‎vocêvencerá‬ ‪#‎MaternidadeSonhadaemapoioàsportadorasdeEndometriose‬

“A todos os que acompanham e vivem de perto com uma mulher que tem Endometriose: Quando não souberem o que dizer, não digam nada. Permaneçam em silêncio, mas permaneçam. Leiam, pesquisem, informem-se, procurem sempre saber mais e ter informação de qualidade ao vosso alcance, porque isso vai permitir-vos perceber a dimensão desta doença, e só assim vos será possível compreender. Quando não souberem o que fazer, não façam nada. Mas fiquem, estendam a mão, ofereçam o colo, e abracem. Abracem muito!”

22 out
Quanto tempo para tentar de novo?

bebe relogio

Quando entramos para o “mundo da reprodução humana” na maioria das vezes não temos dimensão do que nos espera… Alguns casais por sorte conseguem na primeira tentativa, mas uma boa parte entra para o grupo dos que tem que “digerir” um (ou uns) negativo(s) e juntar forças (e dinheiro) para seguir…

Então uma das perguntas que muitas me fazem é quando tentar novamente após um tratamentos mal sucedido? E muitas poderiam ser a respostas, dependendo de cada caso…

Tem pessoas que se abalam demais, muitas de repente nem contavam com a possibilidade de insucesso e a “queda” é maior. Sempre que posso e sei que alguém está começando um tratamento e tenho uma mínima brecha tento ser aquela chata que lhes faz recordar que as chances são maiores que nas tentativas naturais maaas que ficam “longe” dos 100% de garantia para dar certo. Claro que procuro a melhor forma e momento para tocar neste “detalhe”, antes obviamente só ânimo e positivismo, mas não deixo passar sem fazer o alerta e lhes lembrar de que pode também não dar certo… Algumas escutam mas se fecham até para pensar na possibilidade que pode não dar certo e preferem seguir focadas no que “já deu certo e acabou”. Por um lado isso é ótimo, por um lado cada vez mais me convenço que a cabeça ajuda demais na situação, mas muitas vezes pode ter a cabeça boa que for que infelizmente não dará certo e você deve procurar estar nem que seja minimamente preparada para a situação. Se alguém está? Não! Mas pelo menos tentemos ao máximo, para sofrer um pouco menos!

Algumas que já passaram por um, dois ou mais negativos, provenientes de tratamento, muitas vezes se desanimam e se sentem perdidas. Falou em tratamento e já vem aquelas cenas na memória e o sentimento de derrota. E para essas a resposta é tentar trabalhar ao máximo isso na sua cabeçinha, o emocional estar um pouco abalado faz parte mas não deve dominar a situação, principalmente quando se decide partir para um tratamento. Penso que neste caso só deva voltar a tentar quando pensar pelo menos que pode dar certo sim e tentar entrar para ganhar, consciente de que pode perder, mas com espírito e atitude vitoriosa na situação.

E existe o momento ideal para voltar a tentar novamente? Acho que sim… O momento em que você se ver tentando novamente! O momento em que você visualiza a situação como algo novo, como uma nova oportunidade, enfim como uma nova tentativa de verdade! Se é fácil deixar tudo para trás e esquecer o que você passou? Por completo não, é bem difícil, mas lhe garanto que você é capaz de se reerguer e tentar da melhor forma, buscando dentro de você o auto controle e a força que te impulsionará a seguir devido ao querer ser mãe, sustentado naquele amor que já brotou dentro de você antes mesmo do seu filho sequer existir ainda, pelo menos fisicamente, porque no seu coração a essa altura você já o ama e é este sentimento que te fará seguir tentando!

E seus limites para voltar a tentar? Isso só você irá saber se tiver chegado ao limite e nesse momento não haverá mais dúvidas… Mas uma coisa eu garanto… Se você está aí com essa vontade de tentar de novo, é porque você ainda tem força para seguir lutando! E sabe qual o meu conselho? SIGA!!! Você não irá se arrepender! Se arrependerá caso desista, tendo vontade de haver tentado e não ter tentar, ficando na dúvida do como haveria sido se eu tivesse tentado uma vez mais… Isso nunca! Não se apresse caso você ache que não está preparada, mas se prepare e volte a sonhar, volte a lutar, porque só se sabe tentando e muitas bravas guerreiras estão revestidas de mulheres que sonham ser MÃES.

 

18 out
A angústia do não conseguir engravidar

angustia

Nessa caminhada da espera pela gravidez que não vem muitos são os sentimentos que nos envolve… Desde os bons “companheiros” como a fé e esperança até os não tão bem vindos, mas que em algum momento se apresentam, como o medo, tristeza e a bendita angústia.

Não tem como após um determinado tempo não se angustiar, algumas mulheres mais que outras, mas que ela se faz presente não tem jeito.

Assim que liberamos para engravidar tudo são sonhos e expectativa boa de que em breve se concretizará, se passam meses, se passa um ano, as vezes até mais, e começamos a nos preocupar. Nos alertamos para a hipótese de que algo não deve andar bem e geralmente corremos atrás indo ao ginecologista para uma avaliação. Detectado algum diagnóstico na mulher ou no homem começa enfim a maratona de mais exames, tratamentos e outros possíveis procedimentos quem vêm junto com o “pacote infertilidade”… Ainda tem aqueles casais  que após muita investigação e busca por um diagnóstico não tem uma resposta que justifique a demora da gravidez, estes ficam classificados num grupo denominado dos casais com infertilidade sem causa aparente, e que a angústia tende a estar presente mais constantemente, afinal eles nem sequer tem o direito de correr atrás e tentar reverter algum diagnóstico a ser tratado… Difícil, bem difícil.

Tem solução imediata para não se angustiar? Não, mas tem medidas que de repente possam te ajudar a controlá-la.

A primeira medida a ser tomada é correr atrás e fazer tudo o que esteja ao seu alcance para alcançar a gravidez. Caso tenha sido diagnosticada alguma causa, aconselho a tentar combater e tratar a enfermidade que esteja impedindo possivelmente a gestação. Não havendo causa aparente e tendo condições recorra a tratamentos de reprodução assistida para tentar assim encurtar essa espera da gravidez de forma natural, mesmo tudo parecendo estar sob controle. A consciência de fazer o que estiver ao seu alcance te tranquiliza o coração, então caso estejas na zona de “conforto”, reaja!

Outra forma de controle da angústia é buscar o controle emocional, bem sei que não é fácil mas está nas suas mãos tentar buscar este controle e conseguir o equilíbrio necessário para seguir da forma mais tranquila nesta caminhada. Caso não consiga por si só tente buscar uma ajuda psicológica no processo, que muitas vezes ajuda muito.

Para os que creem em Deus a caminhada se torna bem mais leve, digo por experiência própria. Acreditar, por mais difícil que seja em alguns momentos, que existe um Deus que está no comando da sua vida te traz alívio e conforto. E a comunhão que tenhas com Ele, independente da sua religião, te faz sentir menos sozinha nesse momento que a angústia aperta seu coração.

Também algo que me ajudava demais era de vez em quando dar um tempo no tema… Tempo esse necessário para “desintoxicar” de todo panorama que muitas vezes te esgota emocionalmente. E lhes garanto que esses tempos dados em alguns momentos da caminhada foram decisivos para me reerguer e voltar à luta fortalecida novamente.

Bem sei que muitas mulheres ao lerem essas posturas que aconselho se encaixarão em todas, ou quase todas, e ainda assim em alguns momentos se sentem angustiadas, e isso é inevitável, infelizmente. Mas cabe a VOCÊ tomar as rédeas da situação e não deixar que a angústia tome conta de você.  É normal em algumas situações se angustiar claro! Como não após um negativo ou após uma gravidez interrompida inesperadamente? Somos humanas e somos movidas a sentimentos! Mas cabe a nós chorar no momento devido e depois juntar forças para seguir lutando pelo nosso sonho.

Então, procure estar alerta e não deixar a angústia dominar você, que quando ela aparecer seja breve e passageira ! E que o desejo em ser tornar mãe seja o seu impulso a seguir nessa caminhada, tendo a certeza de que TUDO isso um dia ficará para trás e valerá a pena!