06 nov
E a cegonha lhes trouxe Alice e Clara!

fullsizerender-7

E hoje lhes trago a historia da mamãe Ivna. Eu acompanhava sua página no instagram que se chama @chega_cegonha e lembrava que havia lido há pouco que estava em vias de partir para outra fertilização, também me lembrava que meses atrás havia lido que tinha se inscrito no Cadastro Nacional de Adoção, quando na semana passada me deparo com a foto de duas bebês lindas que haviam chegado para realizar o seu sonho da maternidade. Me emocionei e logo a contactei, e a convidei para nos vir contar sua linda história, que deixou a mim e a várias seguidoras curiosas… Preparadas?

“Eu e meu marido estamos juntos há 5 anos (2 anos de namoro e 3 de casados), decidimos engravidar em abril de 2014, em uma viagem para os Estados Unidos. Pensávamos nós que escolheríamos o melhor momento para tal, assim de fácil… Meu irmão é ginecologista, fez o cálculo de quando eu deveria ovular e me receitou um indutor que comprei no aeroporto de São Paulo, antes de embarcar. Tudo certo, fizemos bem a “tarefa de casa”, namoramos muito, mas não voltei grávida, como assim esperava.
O tempo foi passando e resolvi começar a pesquisar se haveria algo de anormal que nos impedisse a gravidez, fui revirada pelo avesso e nada de anormal foi diagnosticado. A única coisa que fugia do padrão normal era meu endométrio que sempre se apresentava em torno de 7mm, não chegava a ser diagnosticado como atrófico, mas também não era o ideal para uma possível gravidez.
Foi quando foi sugerido uma videolaparoscopia diagnóstica onde foram detectados alguns poucos focos de endometriose, porém o médico foi categórico em dizer que somente isso não seria o que se justificasse um motivo para infertilidade.
Seguimos tentando e após um ano de tentativas resolvemos procurar ajuda de especialistas em reprodução assistida. Fizemos vários exames, entre eles histerossalpingografia e exames de trombofilia. Decidimos fazer vários ciclos de coito programado e nada. Foi quando resolvemos partir para fertilização in vitro. Tive 5 embriões. Após 6 meses da punção, quando tive um endométrio lindo de 8.9mm, transferimos 3 lindos embriões, tudo conspirava para dar certo, exames hormonais normais, endométrio trilaminar e de bom tamanho, embriões de qualidade excelente e para nossa tristeza recebemos o negativo…
Paralelamente a FIV decidimos dar entrada nos papéis para adoção, queríamos ser pais e aquela demora nos angustiava. Engravidamos do coração ao mesmo tempo que tentávamos a gravidez através de tratamento.
Pelo que sempre soubemos, a habilitação não demoraria tanto em se concretizar, porém aparecer uma criança sim… O juiz estava de férias, então só no mês seguinte ele começou a despachar, mas após o seu despacho surpreendentemente o processo correu muito rápido. Em um mês tivemos a visita da assistente, a manifestação do Ministério Público e a sentença do Juiz. Ficamos impressionados como tudo correu mais rápido do que imaginávamos e mal sabíamos o que em breve nos esperaria…
Após aquela tentativa de FIV passamos alguns meses esperando um endométrio favorável para transferência dos dois embriões que ainda tínhamos congelados. No dia 10 de outubro último fiz uma ultrassom e o endométrio não estava legal, o médico então pediu para eu tomar uma medicação e retornar no dia 12 para avaliar, foi quando no dia 11 o telefone tocou… Era a assistente social que nos ligava para falar de umas bebês gêmeas… Dia 12 já não retornei ao médico, estava eu em “trabalho de parto” a espera das minhas filhas! A chegada delas foi uma grande surpresa pois estávamos há apenas 2 meses na fila para adoção. Compramos todo o enxoval em um dia! Foi um verdadeiro multirão da família que nos ajudou a organizar tudo para a chegada delas!
E no dia em que as conhecemos, tivemos a certeza ABSOLUTA que elas nasceram para serem nossas, minhas filhas! Me fazendo sentir a mulher mais completa e realizada do mundo, a mãe da Alice e da Clara. E como me disse Taci: “tinha que ser assim, tinha que ser dessa forma, tinha que ser elas, exatamente elas!”
O que farei com aqueles congelados que estava prestes a transferir? No momento e por um tempo ficarão ali guardadinhos para quem sabe um dia transferi-los, agora o momento é de cuidar delas, das princesas da minha vida.”

Mais uma história para lhes encher os corações de esperança, tendo a certeza de que o tempo e os planos de Deus são perfeitos para nossas vidas! Bem vindas Alice e Clara! Parabéns MAMÃE Ivna!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe seu comentário