09 nov
Machismo x Infertilidade

Quando um casal libera os métodos anticonceptivos em busca de um filho e se observa que o tempo está passando e a gravidez não vem, surge naturalmente uma preocupação e começam as indagações sobre o que estará acontecendo.

O mais comum é partir da mulher ir ao ginecologista para começar uma série de exames para detectar algo ou não, e se for o caso ser tratado. Mas da mesma forma que a mulher se dispõe espontaneamente em investigar alguma causa de uma possível infertilidade, o ideal seria da também partir do homem procurar um urologista para tentar identificar algo que esteja impedindo a gravidez da sua parceira, o que geralmente só ocorre após a mulher fazer todos exames e não detectar nada. Daí já começa um certo machismo, machismo este já estabelecido por nós mulheres que por sermos as futuras genitoras sempre acreditamos que o “problema” está em nós, descartando a princípio sequer pensar que a infertilidade pode estar no parceiro.

Quantos homens se negam a princípio ir a um urologista ou especialista em reprodução assistida para fazer os exames investigatórios? Quantas mulheres sofrem porque seus parceiros não admitem sequer pensar que ele seria o “culpado” da história e assim “fogem” ao máximo de enfrentar uma simples visita ao médico em questão. Outros tem receio dos exames a serem solicitados temendo serem dolorosos, geralmente os homens nesses momentos são bem menos corajosos que nós mulheres (a maioria que conheço) que topamos tudo sem ao menos questionar nada e se entregando a todos os exames que surgirem pela frente. Alguns homens se sentem constrangidos, se sentem menos homem por irem a um laboratório fazer um espermograma (que confesso ser constrangedor mesmo), mas não devemos esquecer o que fazemos nós mulheres ao doar nosso corpo a milhares de furadas e hormônios, sem falar das histerossalpingografias da vida e tantos outros exames não tão agradáveis no processo, sem poupar esforços….

Claro que com o passar dos anos e com o aumento absurdo de casais com problemas de infertilidade o machismo diminuiu bastante, mas insiste em existir ainda em alguns casos, fazendo mulheres sofrerem e as vezes inclusive causando crises na relação do casal.

Meu marido foi um grande companheiro de caminhada durante os 6 anos de tentativas, ele sempre esteve a postos para encarar idas a médicos e tudo o que fosse necessário para ajudar nos diagnósticos, teve que fazer vários espermogramas de todos tipos existentes, mesmo eu já diagnosticada com endometriose e cia, jamais reclamou ou argumentou o por que de repetir exames, afinal sempre os resultados eram excelentes. A cada nova equipe médica voltávamos a estaca zero e tanto eu como ele tínhamos que repetir exames já realizados anteriormente, porque segundo os médicos tudo pode mudar num intervalo de tempo, os resultados serem outros e consequentemente a direção do tratamento a seguir poderia tomar outro rumo também.

Quero compartilhar com vocês uma entrevista interessante que li no site do Dr. Drauzio Varela a um renomado urologista sobre infertilidade masculina, o que esclarece várias dúvidas que possam surgir para o casal, acessem o link: http://drauziovarella.com.br/sexualidade/infertilidade-masculina/

Compartilho com vocês um momento que me marcou muito, num certo momento de desânimo, lembro bem que o marido me pegou chorando, geralmente eu era forte e conseguia manter o equilíbrio, mas naquele dia me quebrei e o encarei com toda dor no coração dizendo:  “eu não acho justo você não ser pai por culpa minha, o problema é meu!”. Ele na mesma hora me pediu firmemente, olhando no fundo dos meus olhos, que NUNCA mais ousasse repetir aquilo! Disse que o sonho era NOSSO e o problema era NOSSO! Nos abraçamos e aquele apoio me acalmou a alma.

Entendi a partir de então, e repasso para vocês, que  quando estamos nesse processo não existe culpados, existe sim um casal que sonha em ter um filho e que JUNTOS lutarão por isso. Ninguém é melhor ou pior por ter ou não ter algum problema de infertilidade diagnosticado. E quando diagnosticado cabe a uma pessoa ser tratada e a outra dar total apoio! Hoje vocês são dois, amanhã serão 3, 4… mas antes que nada vocês são 2 e tem que estar unidos e firmes na busca por este sonho.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe seu comentário