23 nov
Microcefalia: Questionamentos e MINHA opinião

microcefalia

O Brasil vive uma emergência nacional em saúde. Centenas de crianças no Nordeste nasceram nos últimos meses com cérebros menores do que o normal. É a chamada microcefalia.

Por morar em Recife, e Pernambuco ser o estado da grande maioria desses casos, venho recebendo emails de algumas seguidoras me questionando várias coisas, me pedindo conselhos e dividindo também suas angústias. Prevendo que algumas gostariam de entrar em contato comigo e não o fazem, resolvi então repassar para todas alguns posicionamentos meus sobre esta situação preocupante e atual.

Você evitaria, caso ainda estivesse tentando engravidar?

Evitar engravidar para quem está há algum tempo sonhando com isso é MUITO difícil. O prudente conselho do Ministério da Saúde é que todas mulheres evitem a gravidez neste momento.

O que eu acho que faria… Eu daria uma pausa nos tratamentos de reprodução assistida, trataria de encarar isso como umas “férias” para mim e para meu esposo em relação a este tema. Muitos casais necessitam dessa pausa para respirar, se recompor de toda essa ansiedade e, em alguns casos, de algumas frustrações também, e seria então uma boa “desculpa” para esse descanso. Se eu evitaria de outra forma? Acredito que não, estou sendo sincera, de repente não estou sendo responsável como deveria, mas não seria capaz de por exemplo tomar anticoncepcional ou fazer meu marido usar preservativo para evitar uma possível -e remota – gravidez.

Caso engravidasse neste momento como encararia?

Com muita felicidade! Afinal era o que mais sonhava na vida! Sei que não seria o momento mais “apropriado”, mas se foi o que Deus permitiu encararia da melhor forma! Desde o primeiro minuto com muita precaução, seguindo a risca os conselhos do meu obstetra. Os casos de contaminação por zika vírus registrados no primeiro semestre são a “principal hipótese” para explicar o aumento da ocorrência de microcefalia na região Nordeste, e devido a isso a recomendação é se prevenir ao máximo das picadas de mosquitos. Como me conheço, não entraria em pânico, mas exageraria nos cuidados, utilizando sempre o repelente indicado, vestindo roupas que cobrissem a maioria da pele do corpo, e evitando lugares mais propícios da presença de mosquitos.

E se ainda estando grávida e descobrisse que seu bebê nasceria com microcefalia?

Não deve ser nada fácil! Qual mãe deseja ter um filho com deficiências? Ninguém, não é mesmo? Após “digerir” a notícia o seguiria desejando e amando, afinal seria MEU filho e esta seria uma prova de aprendizado e muito amor, para vida toda. Uma seguidora me perguntou se fosse ainda possível, ao confirmar, se eu abortaria, e eu lhes respondo com toda certeza do mundo: JAMAIS!

Esses foram os resumos das perguntas mais questionadas e respondidas sobre este surto de microcefalia.

Por outro lado, quanto a decisão de adiar algum tratamento de reprodução assistida (que assim eu o faria) já estou sabendo que duas renomadas clínicas do Recife que já estão procedendo com a indicação para as pacientes adiarem transferências embrionárias para o próximo ano, aguardando assim um posicionamento mais contundente do Ministério da Saúde, postura admirável e de extrema seriedade e responsabilidade.

Torcemos que em breve a situação já esteja controlada! Amém?

E termino este post trazendo para vocês um texto belíssimo de uma mãe de uma criança portadora de Microcefalia, texto este escrito com muito amor, e que nos faz repensar algumas posturas frente a esta enfermidade que tem assustado tantas mulheres… Com vocês o texto que Ana Galvão Janiszewski publicou na sua página de facebook na semana passada, para todos que queiram ler ter acesso a palavras tranquilizadoras, lindas e admiráveis em especial às mães, grávidas ou já com seus bebês diagnosticados. Definitivamente o amor tudo suporta, tudo vence!

“Diante desse “surto” de Microcefalia, eu, como mãe de uma criança com a “doença” gostaria de me pronunciar sobre isso. Não sobre a causa mas sobre as consequências.
Minha vontade é pegar na mão de cada mãe que está grávida ou que já está com seu filhinho nos braços que possui microcefalia olhar nos seus olhos e dizer: “Olha, o Pai Celestial te deu a oportunidade de saber o verdadeiro sentido do amor incondicional, amor puro.
Não se desespere, não há motivos para tristeza, angústia e questionamentos. Ame seu filho.
Pare de procurar culpados e motivos. Não perca seu tempo buscando a cura física, aceite pois ele é espiritualmente perfeito!..Apenas ame seu filho.
Fisioterapia, fono, Terapia ocupacional, neuro, são necessárias e vai fazer parte de seu dia-a-dia, mas “sem neuras” por favor.
Viva cada momento, aprecie cada conquista: ame seu filho.
Encare como uma característica particular, peculiar, um “jeitinho” especial de ser. Ame seu filho.
Sim, é provável que ele não ande, não fale, não frequente a escola e não seja convidado para as festinhas infantis… E daí? Você vai bastar no mundinho dele.
Você vai amar tanto essa criaturinha que sequer vai dizer que te ama… não com palavras… Na verdade você vai sentir esse amor em cada olhar, em cada sorriso. E aí você vai descobrir que o anjo que mora na sua casa você o chama de filho.”

Eu sou tão feliz pelos filhos que tenho, cada um especial… a sua maneira.”

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe seu comentário