04 jun
A infinita espera pelo resultado do beta…

beta

Meninas, hoje lhes falarei um pouco sobre a espera infinita que sucede nas duas semanas pós tratamento, a espera do dia do beta hcg… São dias que não passam, são horas que se prolongam, são minutos eternos.
Um explosão de sentimentos que se turnam dentro da gente, ansiedade constante, esperança, ilusão, desilusão, medo, euforia, alegria, tristeza, desespero, calma, nervosismo… e por aí vai… É uma verdadeira roda gigante emocional, difícil de controlar. Somos humanas e estamos naquele momento vivendo a maior das incertezas,e o que mais desejamos é que seja logo o tão sonhado dia do beta, dia esse que parece não chegar nunca!
A sensação que se sente é que se passa um ano, mas não passam essas duas semanas  de espera, para se confirmar o que está já decidido e confirmado para nossas vidas, mas que ainda não sabemos. É chegado o momento após a transferência dos embriões que não podemos fazer mais nada, que a “sorte” está lançada e o que nos resta é esperar, e essa espera em geral é cruel em alguns instantes.
Saber que dentro da gente pode estar ele, o filho tão sonhado já crescendo! Mas que também dentro da gente possa ainda não haver “nada”, apenas um vazio maior que tudo… E é nessa incerteza que ficamos a mercê do tempo, dessa espera que se alarga e muitas vezes até machuca, mas que não tem como pular esta etapa final.
Na primeira inseminação e nas duas primeiras fertilizações não cheguei ao dia do beta, passei por todo processo, mas a confirmação de que não estaria grávida se adiantava… E com ela a dor vinha junto… Mas com essa dor a vontade de ser mãe só aumentava. Incrível! Como cresci nessa caminhada e como descobri o quanto era mais forte e determinada do que eu própria imaginaria.
Na terceira fertilização tudo foi diferente, desde a mudança da equipe médica à minha postura em todo processo, mas lhes confesso que o misto de sentimentos na espera do dia do beta não foi diferente, foi diferente sim a minha postura em encarar com mais confiança e fé aqueles dias, independentemente do resultado que viria. Havia chegado num dado momento em que estava super consciente do quanto havia lutado e que tudo o que estaria ao nosso alcance tínhamos feito.
O cenário na espera daquele beta era bem diferente dos anteriores, o marido havia viajado a trabalho nas vésperas da transferência embrionária e voltaria apenas na véspera do exame, e então me mudei para a casa da minha mãe. Carinho e atenção não me faltaria, tirei 15 dias de licença para aguardar em repouso o tal dia 6 de novembro de 2006, dia estipulado pelo médico para realização de  exames, entre eles o beta HCG Quantitativo… Quantas e quantas vezes olhei para aquela requisição, algumas vezes chegava a chorar tocando aquele papel que o tenho guardado até o dia de hoje, colado no diário… Chorava conversando com Deus, colocando nas mãos DEle a decisão sobre a minha vida, sobre a maternidade tão sonhada e desejada… Foram dias enriquecedores de escutar a voz de Deus, dias de saber e sentir que aconteceria o melhor para mim, independentemente do resultado, dias de entender que o controle da minha vida não estava 100% na minhas mãos…
Os cuidados nesses dias eram redobrados em tudo, uma alimentação equilibrada, nada de esforço, ao contrário muito repouso, muita leitura,  visitas queridas, aliás só visitas queridas e que não me trouxessem mais ansiedade, e sim muita paz e bons sorrisos, isso é tão importante no processo… Sempre fui muito aberta quanto às dificuldades para engravidar mas na hora dos tratamentos evitava falar para muitas pessoas justamente para evitar dar brecha para mais ansiedade e pressão externa, e recomendo muito essa postura mais discreta em momentos de tratamentos, depois sim “boca no trombone” caso seja positivo, mas enquanto isso ficar quietinha e se resguardar é uma boa opção.
Lembro bem que na véspera do beta estava eu, minha mãe e minha irmã conversando na sala e eu me quebrei chorando muito, eu sabia que faltava horas apenas para saber o que estava reservado para mim e naquele momento desabei, eu estava cansada, eu realmente havia chegado ao meu limite e o que eu mais queria naquele momento era já saber o resultado do exame para poder seguir a minha vida.
E, enfim, chegou o dia 6 de novembro de 2006…

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
31 mai
Primeiro Encontro Maternidade Sonhada

palestrandoencontro

Conforme prometido lhes trago um pouco de TUDO o que me representou o dia 30 de Maio de 2015. A foto de entrada deste post foi tirada com a maioria das participantes. Algumas deixei bem a vontade e preferiram não sair, o que compreendo claro.
O dia começou muito chuvoso aqui em Recife, cheguei a receber emails ao principio da manhã com algumas participante perguntando se relmente haveria o encontro devido ao mau tempo e a minha resposta animada era: “Simbora!!!”. Foram dias prévios de muita dedicação e ansiedade e não haveria nada que me impedisse aquela realização.
Cheguei cedo ao local e minutos após bem antes do horário previsto chegaram as 3 primeiras participantes vindas de João Pessoa! Gente, como me emocionei! Depois descobri outra participante vinda de Maceió, exclusivamente para o encontro! Meu coração explodindo de emoção e gratidão.
encontrofotografa
Tive a honra de ter como uma das parceiras do Encontro a fotógrafa Rachel Girelli que registrou todos os detalhes. Indico Rachel sempre e não canso de dizer que ela capta cada foto com o coração, profissional super competente e que ama o que faz, e o resultado disso são fotos lindas!
encontromamieLine
Eu com minhas duas ajudantes vips, minha irmã e minha mãezinha, que estiverem comigo o tempo todo preparando e organizando todos os detalhes.
encontrocoffee
A mesa do coffee break ficou belíssima! Também não poderia ser diferente com as maravilhosas e diferenciadas peças de Mussalem Objetos e arranjos dos lindos balões da Vive La Fete.

encontromesa2
boloencontro
Destaque para o Naked Cake de Vania Elihimas, lindo e delicioso em composição com os belos arranjos de flores da maravilhosa Amanda Arruda.
sanduiches
 Os sanduíches de Ana Fulana que foram sucesso absoluto!
encontrodetalhes
Os docinhos deliciosos de Ana Fulana e Delikata, em composição com peça de Mussalem Objetos que arrasa em qualquer produção.
Não podendo deixar de citar no nosso coffee também a presença do melhor bolo de laranja “do mundo” de Lígia Tortas!
laroche
La Roche Posay também foi uma grande parceira presente, distriubuindo brindes tops a todas as participantes e acreditando nesse projeto feito com tanto carinho.
eueDraMadalena
A manhã começou com minha apresentação, um momento emocionante e descontraído ao mesmo tempo, onde contei com mais detalhes a minha história e no meio de tudo isso dei dicas e “toques” às presentes, sempre no intuito de animá-las a seguir.
Após a minha apresentação momento literalmente “gostoso” do Coffee Break para posterior apresentação da convidada deste encontro, a querida e renomada médica especialista em Reprodução Assistida, Dra. Madalena Caldas.
Dra. Madalena falou sobre os avanços da Medicina Reprodutiva e após, ainda abriu um espaço para perguntas das participantes, esclarecendo dúvidas e provocando um bate papo gostoso dela com a platéia.
Enfim, foi uma manhã linda! A minha sensação é que todas sairam com algo a mais de esperança dentro dos seus corações, e esse era meu desejo principal! Contribuir um pouquinho mais para que vocês se sintam mais acompanhadas nessa caminhada.
Deixo meu muito obrigada a todos parceiros que contribuiram para que o encontro ficasse mais lindo ainda, sem esquecer do amigo e talentoso Betinho Montenegro, responsável por todas artes gráficas das chamadas do encontro, ele que é tão ocupado, mas que também fez questão também de abraçar a causa.
Nós
Eu não poderia deixar de registrar meu agradecimento a ele.. Ao marido que tem sido grande incentivador nesse meu projeto, entendendo sempre as minhas ausências e estando feliz por eu estar feliz. Sem medir esforços em me ajudar, inclusive sendo meu patrocinador oficial nesta causa rs. Muito obrigada meu amor!
encontroparticipantes
Foto com parte do grupo de queridas seguidoras presentes
Sabe aquela sensação de “mais um, mais um”? Foi a sensação boa ao final dessa manhã! Todas se despedindo e já pedindo pelo próximo! Prova do quanto foi deliciosa a nossa manhã sim! E posso lhes confessar? Também fiquei com este sentimento… Então mais pra frente… Mais Encontros Maternidade Sonhada! “Simbora”?
Beijos queridas e meu muito obrigada!
Taci
Contatos dos Parceiros:
Mussalem Objetos: 81 9 8166-5160 ou 9 9960-6781
Ana Fulana: 81- 9 8890-8007
Rachel Girelli Fotografia: (81) 9 9602-1379
Amanda Arruda – Tropical Flora: (81) 8603-8653 / 98135062
Vania Elhimas: (81) 9 9682-2701
Vive La Fete: (81) 3265-0649
Lígia Tortas: (81) 3344-0235
Delikata: (81) 3038-0606
Betinho Montenegro: (81) 9 9185-4761
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
27 mai
Infertilidade Sem Causa Aparente
Casal-Abraçando
De uns tempos para cá tenho recebido mensagens de várias mulheres angustiadas por pertencerem ao grupo de casais que após muita investigação, através de exames, são constatados com infertilidade sem causa aparente, ou seja, casais que nãos conseguem encontrar uma razão específica para entender a causa da sua infertilidade, e pelo que observo sempre há um sentimento de frustação e impotência enorme nessas pessoas.
O que para alguns que são diagnosticados com alguma causa a se tratar gera tristeza, para esses casais o não ter uma justificativa para que não aconteça a gravidez não só os deixa tristes mas com um sentimento de revolta, revolta por não ter ao menos direito de saber o que tratar, direito de ter uma resposta para este “por que” sem resposta… Lhes restando “apenas”, naquele momento, a possibilidade de seguir em busca de um diagnóstico que infelizmente, muitas vezes, não é detectado.
Casais que mais que os outros, com causa já encontrada, não tem sequer justificativa para si próprios e, o pior, para algumas pessoas que convivem e insistem em afirmar que o problema está na cabeça deles… E frases como: “quando vocês relaxarem”, pode ser o comentário mais irritante das suas vidas…
Logicamente a constatação é acompanhada de muita frustração e da sensação de que nada deve ser feito, lhes restando apenas para alguns seguir investigando mais e mais, e esperando… E ao meu ver não deve ser assim não! Acredito eu que, se após um ano de espera sem nenhum método anticonceptivo,  posteriormente a este ano já havendo feito todos os exames que possam descartar alguma causa de infertilidade, o casal tem que tentar não se entregar ao desânimo, o que imagino ser nada fácil, e partir para luta em busca do seu sonho. Mas como?
Procurando um médico da sua confiança para ver qual seria o tratamento indicado para seu caso, levando em consideração alguns fatores como por exemplo idade e tempo de infertilidade, e a partir dessa análise optar por algum tratamento de Reprodução Assistida.
Esperar mais para que, não é verdade? Se vocês fizeram o que poderiam fazer e querem tanto um filho, então chegou o momento de lutar por esse sonho, e a Medicina Reprodutiva existe para lhes ajudar.
Divido com vocês um desabafo de uma seguidora que consegue sintetizar o que cada uma de vocês que esteja nessa situação deva sentir:
“Quando você não tem um diagnóstico mais preciso para justificar o fato de não engravidar você é condenada sem direito à defesa: se não tem problema, a culpa é da sua cabeça e ponto final.
E tem também comentários do tipo: porque não faz tratamento? Se já fez e não deu certo, porque não adota? Como se as coisas funcionassem assim, vapt vupt.
É engraçado que quem sempre costuma fazer esses comentários nunca lembra de perguntar como você está se sentindo diante dessa situação !”
Fato! Infelizmente a insensibilidade de algumas pessoas que não passaram por esta situação machuca e, acredito eu, que a maioria não tem dimensão o quanto essas cobranças e “soluções mágicas” tendem a nos enfraquecer e desanimar, ou seja, o efeito contrário das suas “boas” intenções…
Então, vamos reagir??? O que você mais quer não é ser mãe? Então corra atrás! Deixe de se lamentar por falta de diagnóstico e, sendo possível, recorra aos tratamentos de reprodução assistida! Se já fez e não deu certo, não desista!
Se pensa em mudar de equipe médica, mude! Corra atrás do seu sonho JÁ! E não deixe nada, nem ninguém lhe
desanimar. A vida é sua, o sonho é SEU!
Em frente futura mamãe!!!

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
19 mai
Sem Jaleco, o pai das trigêmeas.

Semjaleco

Me emociono sempre quando confirmo a presença de médicos humanos, no real sentido da palavra, médicos que amam o que faz e que vibram DE CORAÇÃO com cada vitória dos seus pacientes. Imagino como deva ser maravilhoso o sentimento dos médicos que tem este perfil e que se especializaram em Medicina Reprodutiva. Imaginem um médico assim, que ainda teve que passar literalmente para o lado do paciente, tendo que enfrentar com sua esposa tratamentos de reprodução e sentir exatamente o que sentem seus pacientes?
Aqui lhes trago uma história mágica, linda, inspiradora. Vamberto, foi um colega do colégio, conhecido por todos daquela época como o querido “Vambinha”, sempre brincalhão, simpático e inteligente. Os anos se passaram, e muito tempo depois me reencontro com ele aqui no Recife, ele me conta que havia se formado em medicina, e estava morando em São Paulo… Neste encontro ele não frisou a sua especialidade, e mal sabia ele que teria na sua frente uma paciente em potencial… Os anos se passaram, eu na luta para engravidar, e um dia escuto falarem de um tal médico extremamente atencioso e competente em São Paulo, um “tal” Dr. Vamberto… Jamais imaginava que era o colega “Vambinha”.
E agora com o blog e vivência nas redes sociais o tenho acompanhado mais de perto e confirmado ainda mais tudo isso.
A vida e suas surpresas fizeram Vamberto com sua esposa passar na pele o que suas pacientes passam, ao se depararam com a infertilidade. Ele foi para o outro lado da moeda, ali ele tirou o jaleco por uns instantes e era “apenas” um homem a mais que sonhava com a paternidade… Digo que ele tirava o jaleco “apenas” por uns instantes naquela fase da sua vida, porque ele próprio tomou a frente do tratamento deles!
Após algumas tentativas de coito programado, uma inseminação e duas fertilizações, na segunda fertilização: positivo, aliás triplamente positivo!!!!!! A esposa dele, Maíra, estava grávida de trigêmeas!
Vamberto então resolveu compartilhar a caminhada deles referente a essas lindas vitórias escrevendo um blog muito bacana! O Blog das Trigêmeas que está inserido no site vambertomaia.com, blog este escrito com o coração, assim como o amigo “Vambinha” encara sua profissão, com muito amor e dedicação.
E desde que comecei a escrever o meu blog que ele tem “aparecido” por aqui, sempre disponível em ajudar no que for necessário, e através de suas atitudes reconfirma o que já está claro para mim: ele ama o que faz e vibra muito pelos casais que conseguem realizar o sonho de ter um filho, contando com a ajuda da Reprodução Asssistida.
Ontem ao abrir o face me deparo com uma foto linda dele com um casal e uma bebê nos braços, com o seguinte texto acompanhando:
 “Quando você estiver sem esperanças sobre seu futuro reprodutivo olhe essas fotos e lembre-se:
De nunca perder esperança;
Confiar no tratamento proposto (e na equipe);
Crer que vai dar certo.
Meninos eu que a gradeço a oportunidade de ter feito parte dessa história linda. E que me ensinou muito!
Nunca vou esquecer de vocês!”
“Vambinha”, meu amigo, e assim conhecido pelos colegas do Colégio São Luís no Recife, “feras 1993″, ou conhecido em São Paulo como o Dr. Vamberto Maia Filho, agradeço permitir dividir um pouquinho da sua história por aqui, sendo com certeza mais um instrumento de esperança a tanta gente que ainda está na luta. Muito feliz poder acreditar que neste Brasilzão existem muitos “Vambertos” espalhados por aí para ajudarem casais a concretizarem seus sonhos. Deus abençoe a você e a sua linda família!

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
14 mai
Transferência dos Embriões
transferencia
Havia chegado a hora da transferência dos folículos… Apesar de ser a minha 3a fertilização, até então só havia chegado a esta etapa uma vez. Na primeira fertilização não houve nem sequer folículos aptos para puncionar, e na segunda transferimos apenas um embriãozinho, e como já sabem não deu certo… Essa era a 3a fertilização e provavelmente seria a última… Estávamos cansados e esgotados dessa caminhada dos últimos anos, havíamos chegado ao limite e estávamos conscientes que havíamos feito absolutamente tudo o que estaria ao nosso alcance, até que um dia decidimos que parávamos ali… Não que iria desistir de ser mãe, de forma alguma! Mas fecharia um ciclo de tentativas de ser mãe gerando no ventre e partiria para me preparar para a gestação no coração, ou seja, através da adoção. Mas, lhes confesso, que o foco ainda era todo para a possibilidade da gravidez, naquele momento.
No dia da transferência meu companheiro de jornada, meu marido, estaria viajando a trabalho e então me acompanhou a duplinha maravilhosa que também sempre esteve presente nos apoiando: minha mãezinha e minha irmã.
Após vários dia de preparação, entre remédios, hormônios, ultrassonografias e MUITA ansiedade, mas também esperança, havia chegado o momento, o grande momento de receber no meu ventre duas possíveis vidas, meus possíveis filhos, ou não… ou se confirmaria uma vez mais que ainda não seria daquela vez, ou não seria nunca daquela forma… Uma certeza eu tinha, desde o início daquela tentativa: a vontade de Deus seria feita e estava reservado o melhor para mim! Por mais difícil que fosse pensar na possibilidade de não dar certo, a minha consciência me fazia tranquilizar e minha fé me acalmava, afinal até ali não havia medido esforços, havia lutado como uma brava guerreira, não havia me intimidado com tantos baques no caminho, tinha me doado por inteiro, literalmente de corpo e alma.
Chegamos ao hospital, havia um quarto reservado para mim no andar que seria feito o procedimento. As três dissimulavam a ansiedade e nervosismo presentes. Hoje, como mãe, bem imagino o quanto a minha mãe sofreu por mim… O médico apareceu para nos dar as boas vindas, me explicou como seria tudo, me tranquilizou e me emocionou dizendo: “fizemos TUDO o que estava ao nosso alcance, agora seja feita a vontade de Deus. Está preparada? Vamos?” E um retundente “SIM, VAMOS!” Saiu da minha alma e dentro do meu coracao uma voz dizia… “vamos buscar os meus filhos para dentro de mim!”
Ao entrar na sala para transferência a bióloga da equipe me deu as boas vindas e elogiou os dois embriões dizendo que eram lindos e excelentes! Começou o ultrassom e o médico comenta que o útero e endometrio estavam perfeitos para recebê-los… Coração disparado e a oração dos últimos dias: “Seja feita a Sua Vontade!”.
Foram enfim transferidos, em seguida fui ao quarto e por orientação médica permaneci em repouso por três horas. De lá fui para casa da minha mãe aonde permaneci durante duas semanas até a volta da viagem do marido, coindicidindo com o dia em que faria o teste de gravidez… E aí começou uma longa espera…
trasbferenciadiario

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
10 mai
Mais um dia das Mães…

margarida

E chegou mais um dia das mães com um sentimento chatinho rodando os corações, mulheres que esperam pelo filho que ainda não chegou, mulheres muitas vezes cansadas de lutar e esperar, cansadas de se iludir pelo mês que virá, cansadas de se auto confortar que ainda não foi dessa vez…

E as semanas que antecedem esta data são como lembretes constantes de que você ainda não conseguiu, você ainda não é mãe. Apelos comerciais e propagandas para todos os lados que olharmos e assim inevitavelmente corações mais sensíveis e a vontade de ser mãe latente e multiplicada.

Como as entendo! Foram 6 anos assim, 6 anos esperançosos, mas que em alguns momentos fraquejava, o que é super normal, e dia das mães era uma das datas que gritava dentro de mim um desejo louco de JÁ ser mãe! Me confortava ter a minha mãezinha para homenageá-la pelo menos, mas queria eu ter um serzinho para “apenas” me chamar de mamãe, para eu poder cuidar e amar, e assim me tornar a pessoa mais feliz e realizada do mundo.

Apesar de difícil, durante a caminhada contra a infertilidade, sempre busquei reagir, sempre procurei enxergar além dessa espera, sempre buscava motivos – e os encontrava em seguida – para sorrir e agradecer. E hoje lhes faço este convite e lhes garanto que dessa forma será menos difícil e mais leve.

Para as que ainda tem suas mãezinhas aproveitem o dia para estar juntas, para demonstrações de carinho e gratidão, não deixe de dizer o quanto a ama e faça deste dia um dia especial para ela! Se você não tiver mais a sua mãezinha presente, recorra a passar um lindo dia ao lado dessa pessoa que você escolheu para estar ao seu lado nessa espera ansiosa, busque estar rodeada de amor.

Que este domingo seja um domingo de paz dentro do seu coração, na certeza de que muitos dias das mães virão e você terá nos seus braços o seu sonho realizado.

Então aqui deixo minha homenagem para todas vocês, futuras mamães, mulheres admiráveis que sonham e lutam pelo direito da maternidade, que sofrem mas não desistem, que persistem nesta espera da vinda de um ser à sua vida, ser este que transformará para sempre a sua existência. Vocês já são mães de coração, e que sorte terão esses serzinhos que virão a ser os seus filhos, e que em breve farão de todos os dias das suas vidas uns lindos e sonhados dias das mães.

Beijo no coração de cada uma!

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
29 abr
Te convido a reagir!

ciclo

Para os que existem não apenas vivem, ou sejam que vivem de verdade, com vontade, que sonham, que acreditam numa amanhã melhor, que não desistem fácil, que conseguem sorrir mesmo sentindo dor, que o amor dentro do coração lhes transborda mesmo faltando ao seu redor, que preferem pensar positivo mesmo que tudo lhe leve ao negativo, pessoas que acham que vale muito a pena viver apesar dos pesares e acima de tudo seguem sonhando e acreditando nos seus sonhos. A vocês minha admiração e as boas vindas a esse grupo de pessoas que amam a vida e acreditam que nasceram para ser felizes, e para isso sempre seguem em busca da tal felicidade nas mínimas coisas e nos grandes sonhos.

Estamos vivos e isso já é uma grande dádiva!
Que tal parar de reclamar e reagir??? Olhe para si, olhe para sua vida, veja a quantidade de coisas que te dão motivo para seguir! Você é bem mais forte do que imagina e MUITO depende de você, inclusive a sua vida em muitos aspectos. Vamos “simbora” ser feliz com o que somos e temos? E de sobra…Vamos seguir atrás dos nossos sonhos, sem desistir facilmente?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
23 abr
Congelamento de Óvulos, Congelamento de Sonhos
congelamento
Gente, hoje o tema abordado será o congelamento de óvulos. Antes que nada, para melhor entendimento, quero diferenciar  as expressões óvulos e embriões, tendo em vista que existem técnicas de congelamento dos dois e  muita gente se confunde pensando se tratar do mesmo.
Óvulos são células sexuais femininas, que podem ser congelados para serem usados em tratamentos de reprodução humana a futuro, por mulheres que desejam ou precisam preservar sua fertilidade.
Embrião é o produto da concepção do momento da fecundação até 8 semanas de vida embrionária, sendo a junção do óvulo com o espermatozóide. No caso de fertilização in vitro o processo dessa “junção” se dará em laboratório para posterior transferência ao útero da paciente.
Entendido? então vamos lá…
Me lembro bem que a primeira vez que escutei sobre esta possibilidade foi há muitos anos atrás quando uma colega do colégio foi diagnosticada com câncer de mama. Devido a ser muito jovem e ainda solteira, foi alertada pelos médicos para que antes de iniciar os tratamentos providenciasse o congelamentos de alguns óvulos, por saber da possibilidade de vir a ficar infértil posteriormente. E assim foi feito, ela procurou uma clínica de reprodução humana e foi feito o congelamento de óvulos. Alguns anos se passaram, ela já curada e casada, sem conseguir engravidar naturalmente, resolveu partir para a fertilização in vitro com aqueles óvulos congelados, resultando assim numa gravidez trigemelar e a realizando por completo, isso graças a técnica de congelamento de óvulos, tão bem indicada pelos profissionais que a cuidaram na época e tiveram a sensibilidade de alertá-la, já pensando em seu futuro e possível desejo de mulher em se tornar mãe.
Que maravilha, não é mesmo? Pois bem, o congelamento de óvulos é uma técnica que está disponível para todas mulheres que por alguma razão querem ou necessitam adiar a maternidade.
Hoje em dia, muitas mulheres preferem deixar a maternidade mais para o futuro devido ao lado profissional, e utilizam esta técnica para quando lhes pareça mais oportuno o momento para se dedicar de melhor forma à maternidade. Outras, por não terem um parceiro estável em determinada idade também se preocupam em preservar alguns óvulos para quando apareça o possível pai para o filho sonhado.
Se sabe que a idade ideal para congelamento de óvulos seria até os 35 anos, quando os óvulos ainda são considerados jovens, havendo maior possibilidade de êxito num tratamento futuro, mas como muitas incógnitas nessa área da medicina, nada é garantido e de repente um óvulo de uma paciente com mais de 40 anos resulta ser posteriormente um lindo beta hcg positivo!
A medicina tem evoluído cada dia mais e vejo o congelamento de óvulos como um congelamento de sonhos, o que poderia ser, se não existisse esta técnica, o fim do sonho da maternidade para algumas mulheres que por algumas razões se vêem na obrigação de deixar para amanhã este sonho de ser mãe e com o congelamento de óvulos o sonho segue ali, guardado, congelado, para quem sabe um dia se concretizar… Sou a favor da possibilidade dessa técnica, sempre quando seja optada por livre e espontânea vontade da mulher em questão, jamais por imposição de algo ou alguém… E assim sendo: viva o congelamento de óvulos!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone