29 jan
Futuros Papais

Sem título

Sempre falamos muito aqui direcionado às futuras mamães, às mulheres que sofrem com a infertilidade. Claro que por várias vezes falo do parceiro de caminhada, mas até então na verdade não havia escrito direcionado aos homens que também leem nossas mensagens e acompanham nossos posts.

E nos últimos dias, dois homens, amigos meus, me chamaram atenção para isso. Os dois já passaram por esta espera, nos acompanham e gostam muito desse espaço. Então senti certa “carência” de atenção e reconhecimento a vocês que sofrem ao lado das futuras mamães e muitas vezes pensam passar desapercebidos, o que assim não são, ao contrário! Bem sabemos o quanto sofrem, mas que de repente disfarçam e não expõem muito seus sentimentos, sendo impostos e cobrados pela situação e talvez por si mesmos a serem os fortes e o equilíbrio nesta espera tão dolorosa. Que difícil!

Pois bem, aqui estou para lhes dizer que – geralmente – vocês arrasam, dando a contenção tão necessária para nós que nessa espera ficamos tão fragilizadas… Digo que só segui em frente porque tive ao lado um companheiro que me deu total apoio e que na hora que batia o desespero estava ao meu lado para me fazer desacelerar e me fazer enxergar que além do sonho da maternidade havia vida, havia nós dois!

Imagino o quanto deve ser complicado para vocês, futuros papais, ter que nos “aguentar” em certos momentos… Momentos que muitas vezes nem nós mesmas nos aguentamos. Imagino como deve ser difícil manter a postura firme e em determinados momentos nos dizer que está tudo bem e sob controle, mesmo no íntimo sabendo – e sofrendo – que não está nada bem e que as chances e esperança da vinda do seu filho estão cada vez menores, diante dos prognósticos médicos.

Também deve ser doloroso ver a mulher que você ama se submetendo a tantos sacrifícios que estão incluídos nos tratamentos de reprodução, lutando bravamente pelo filho que tanto esperam. Como deve ser horrível quando você se sente o motivo, por ter sido diagnosticado algo em você, daquele sofrimento do casal. E aqui insito em lembrar mais uma vez, que não há culpado nisso e sim um CASAL que sonha junto e luta pela realização deste sonho a dois.

Então aqui deixo minha admiração e total apoio aos papais tentantes, ou melhor, aos futuros papais que nos acompanham. Uns por curiosidade, outros por tentar conseguir interagir e entender mais ainda ao que se passa na cabeçinha da sua mulher diante de tanta ansiedade e dor, outros por encontrar algo de conforto para si mesmos através desse espaço que está destinado a lhes fazer animar a não desistir deste sonho da chegada do filho tão esperado.

E lhes digo… Esse espaço é aberto com maior prazer para vocês também, este espaço é NOSSO!

Sejam bem vindos sempre!!!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
25 jan
Amor de mãe, amor que não se explica

amordemae

Mãe… Ser ímpar e insubstituível! Estou na praia e trouxe a minha mãe conosco. Depois de amanhã fará um ano que meu pai faleceu, ainda estamos processando esta perda… Devido a isso o cuidado com ela tem sido redobrado. Quase 45 anos de união e se ver sem ele não está sendo fácil para minha mãezinha… Mas voltando a falar do ser mãe, eita personagem único, eita amor maior do MUNDO, amor daqueles que quando nos tornamos mães nos damos conta que aí sim aprendemos verdadeiramente o sentido da palavra amor, amor este que vem carregado de tantos outros sentimentos lindos e nobres, uma doação diária e eterna. Me lembro bem que nos primeiros dias de vida da minha Mariana, enquanto a amamentava, a observava segundo a segundo e de golpe um suspiro forte! Era amor que não cabia em mim, era amor que exalava por todos os meus poros, era amor que juro as vezes me faz “doer sem dor” o coração, que parece explodir devido à dimensão desse sentimento que só se sabe sentindo, não tem explicação!
Quando vocês forem mães, e acredito sim que TODAS assim serão, entenderão bem aquela velha frase que com certeza a maioria um dia escutou na vida pronunciada pelas suas mães: “um dia você será mãe e me entenderá!” E é assim mesmo!!! Hoje em dia, minha mãezinha, como eu entendo os seus nãos na hora que eu insistia por um sim, como eu entendo o seu poder de me cuidar como ninguém, como entendo a sua torcida incondicional e ilimitada por tudo que puder me fazer feliz.
Hoje acordei agradecida a Deus pela mãe que tenho! E todos os dias para o resto da minha vida agradecerei pela dádiva de após muita luta ter conseguido sentir, entender e conhecer este amor único que só se entende sendo mãe!
Para vocês aconselho que se ainda tiverem suas mãezinhas que a valorize e cuide, e desejo do fundo do meu coração que todas possam viver este amor único e inexplicável, que a maternidade sonhada seja realizada!
Corram atrás deste sonho, lhes garanto que valerá a pena!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
21 jan
Esperando e… Vivendo!

 

Taci (4)

Hoje venho dividir com vocês um pouco da minha postura diante dessa espera carregada de tanta ansiedade que vocês estão vivendo e que eu senti na pele durante 6 anos… Bem sei que não é fácil o “saber esperar” com sabedoria, paciência e tranquilidade… Tem dias então que… aff!!! Nem nós mesmas nos aguentamos! E não é de se surpreender, o desgaste é enorme.
Compartilho então com vocês um pouco do que eu tentava sempre colocar em prática durante os 6 anos nessa bendita espera, para assim seguir “vivendo” em paralelo ok? Aí vai:
– Sempre fui muito grata por tudo que tenho na vida e isso me ajudava demais a reagir quando estava para baixo… Pensava em tantos outros motivos que tinha para sorrir e seguir, e também pensava que muitas pessoas gostariam de estar no meu lugar com “apenas” esse problema…
– Temos que nos cuidar! Sim! Me lembro as vezes que postergava a compra de uma roupa mais justa ou uma sandália com salto mais alto, pensando: ” não vou comprar porque não usarei muito já que irei engravidar” maaaas não deixava de comprar algo lindo mesmo que fosse um modelo que pudesse adequar apenas aos primeiros meses de gestação… E quantas daquelas peças de roupas cheguei a doar porque os anos passaram, saiu de moda e nada da gravidez acontecer… mas sempre buscava me vestir bem, e acima de tudo me ver e sentir bem!
-Manicure semanal, SEMPRE! Foi, é, e será sagrado! Umas unhas bem feitas e um momento só nosso no salão alivia a tensão e elimina o stress. Comprovado! Rsrs. Não admito mulheres que perdem a graça de se cuidar por estarem consumidas por esta espera. Mais que nunca você deve se cuidar! Você merece estar bela, se sentir bem e … o marido agradece!
– Programas diferentes e legais também são muito bem vindos! Viagens, passeios, encontros com amigos queridos, ou seja TUDO que te faça sentir bem e mais leve!
–  Nunca, jamais você deve se sentir pior do que ninguém porque ainda não é mãe. Meu marido sempre me dizia o quanto era orgulhoso de mim por correr atrás desse sonho, sem medir esforços. E vocês não imaginam como levei a sério isso rsrs… eu tenho o maior orgulho do mundo por ter sido tão guerreira! E vocês devem se sentir assim! Nós somos maravilhosas, vocês desde já são vencedoras e admiráveis por não desistir fácil de um sonho tão lindo!
O que quero deixar claro é que a vida segue meninas! Essa mulher que sonha com a maternidade segue viva e necessita ativar e investir outros focos na sua vida enquanto o sonho não se transforma em realidade! Essa futura mamãe é uma mulher que tem outros papéis a desempenhar e ocupar a cabeça e o tempo,  e isso com certeza contribui para freiar a ansiedade também. De repente passa a existir uma profissional que esteja estagnada, ou uma amiga que esteja afastada daquelas que te fazem tão bem evitando um bom bate papo com direito a boas gargalhada , ou o pior e infelizmente o mais frequente: uma esposa que esquece do marido e só o enxerga como possível procriador do filho tão sonhado… entre outros tantos exemplos de mulheres que deixamos adormecidas aí dentro de cada uma de vocês que se estão deixando “ofuscar” pelo assunto infertilidade.
Que o sonho da maternidade seja uma prioridade, concordo totalmente! Mas que saibamos controlar que esta prioridade não seja apenas o que controle a sua vida em tudo. Lembro bem que na fertilização que foi a “vencida”, teria que decidir: ou viajar finalmente para conhecer a Europa ou tirar as férias para fazer a FIV. Adoraria conhecer a Europa, mas a minha prioridade era o tratamento e nao me arrependo da escolha, mesmo que nao tivesse dado certo, como de outras vezes… Mas por que optei e sei que fiz o certo? Porque vinha esperando e vivendo! A minha vida seguia por mais que sonhasse e sofresse com a demora da concretizacao do sonho de ser mae, eu não deixava que a infertilidade controlasse a minha vida como um todo.
Por isso te peço que reanalise e reveja suas posturas nesse momento, que o assunto da maternidade sonhada seja prioridade, mas que não seja TUDO para você, afinal existe uma vida a se viver, combinado? Então, mudanças de atitude: se cuidar, cuidar do parceiro, se amar, se valorizar e… VIVER!!!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
12 jan
Mirella e seu trio, após 7 anos de espera!

trio

Esta é mais uma história das quais AMO contar… Mirella é uma prima querida, que durante alguns anos, boa parte no mesmo período que eu, lutava também contra a infertilidade, mas só um detalhe: eu não sabia, aliás eu imaginava, mas sempre respeitei a maneira discreta que ela lidava com o tema…  Até que um dia ela se abriu para mim e de imediato senti o quanto ela já vinha sofrendo. Eu engravidei da minha primeira filha antes que ela e bem sei o quanto ela vibrou por mim e no ano seguinte lá estava ela enfim gravidíssima de trigêmeos! E no mesmo período eu novamente… grávida!
Uma gravidez trigemelar requer muitos cuidados e Mirella desde o início estava bastante consciente disso, e o marido dela mais consciente ainda por ser médico. Após toda euforia da descoberta, vieram os cuidados e o medo de segurar a gestação tão sonhada, mas já lhes adianto que o final foi super feliz resultando em três príncipes lindos e saudáveis.
Com vocês um pouco da história de Mirella, ou mais conhecida por aí como a mãe do trio, contada por ela própria para vocês, como mais uma injeção de ânimo e perseverança!!!

“Bem … Minha gravidez foi bastante delicada.

Fiz o tratamento de fertilização in vitro em março de 2008 e no dia 29/03/08, fiz o teste que deu positivo. Não acreditei. Fiz um teste de farmácia e depois fui ao laboratório confirmar. O quantitativo assinalado no teste foi bastante alto e a médica já sinalizou por telefone que poderia ser uma gravidez gemelar ou trigemelar, de alto risco e com grandes chances de abortamento.

Tentei engravidar durante 7 anos e fiz 8 tratamentos, sendo 4 inseminações artificiais e 4 fertilizações. Em todas as tentativas, nunca consegui engravidar.

Na última tentativa, a 8º, ainda com esperança de conseguir realizar esse sonho de ser mãe, a equipe médica decidiu colocar 3 embriões. Na época, até tentei persuadi-los para que fossem colocados 4, pois eu tinha um total de 8 embriões de qualidade para transferência.

Por volta de 6 semanas fiz a 1º ultrassom no consultório da médica e vi os três corações pequeninos batendo. Fiquei impressionada e não acreditei no que vi, nem eu, nem meu marido. Choramos muito e mal conseguimos avisar a família e aos amigos, que ficaram atordoados tb. Todos sabiam do alto risco, tanto para mim quanto para os bebês. Os sentimentos se misturaram: alegria, ansiedade (será que eu ia conseguir ir até o final), preocupação, medo e culpa (me culpava por fazê-los sofrer já na barriga), confiança, fé, etc.

Daí, entrei em um processo de licença médica que durou 7 meses (de março/08 a setembro/08). Foram 7 meses de injeções diárias e ultrassons quinzenais. Os dias não passavam, os enjôos foram grandes e já não conseguia respirar direito no 3º mês, devido a pressão dos meninos na barriga e o pouco espaço, embora eu só tenha engordado 8 quilos em todo o processo. Só saia para médicos: 1 geneticista, 1 obstetra, 1 hematologista, 2 hepatologistas, 1 cardiologista, 1 nefrologista, etc…. Nos últimos 15 dias de licença, fiquei internada para segurar um pouco mais a gravidez. E, durante os 7 meses, foi de cama, literalmente.

Em setembro de 2008, já internada, eu tive pré-eclampsia e a equipe decidiu fazer o parto, pois corria risco de morte. Meus exames estavam todos alterados. Daniel nasceu com 948 gramas, Miguel com 954 e Rafael com 1 kilo e 150 gramas, no dia 18 de setembro de 2008. Todos ficaram em UTI pré-natal durante 2 meses e meio. Precisavam amadurecer os órgãos imaturos, principalmente o sistema respiratório e gastrointestinal. Foi muito difícil. Eles “esqueciam” de respirar frequentemente e precisavam de ventilação auxiliar. Tomaram dezenas de antibióticos, fizeram 6 transfusões de sangue cada um e quando receberam alta foram internados uma semana depois para cirurgias de ernias inguinais (os 3) e hérnia umbilical(2). As cirurgias transcorreram bem, exceto a de hérnia umbilical de Miguel, que voltou à UTI por 3 dias. Eles tinham em média 2 kilos cada um, nessa época.

Hoje são essas delícias. Superaram tudo. Estão com 6 anos e são a alegria da minha vida, a minha razão de viver. Para chegar até aqui, passaram por muita coisa, inúmeras terapias(fonoaudiologia, terapia ocupacional, neurologista, etc) e cirurgias, mas nada que os fizessem desanimar e desistir. Eles têm muita energia, são saudáveis e danados, como toda criança feliz. São anjos de Deus.”

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
08 jan
Tentante, a expressão que as vezes incomoda

Já foram algumas as mulheres que comentaram em privado para mim o quanto lhes incomoda alguns termos usados entre as que estão nessa espera pela gravidez que não vem… A começar pela expressão “tentantes” que boa parte das mulheres se auto denominam.
Significado da palavra Tentante: aquele que tenta. Partindo deste significado então, não deixa de se bem justificar essa auto denominação, afinal quem espera a gravidez que não vem está sempre nas tentativas de que finalmente se concretize, com vida sexual ativa, sem uso de algum método anticoncepcional e na maioria das vezes em vias de algum tratamento de reprodução assistida, sendo acompanhada por um ginecologista ou médico especialista da área que lhe investiga algum diagnóstico que possa estar causando esta demora e aumentando os tempos das tentativas…
E tenho que lhes confessar que lembro bem o quanto ansiava perder este título de tentante! E tinha isso guardado aqui dentro de mim, até hoje, tendo a oportunidade também de expor isto para vocês. Ao mesmo tempo que me “auto entitulava” e me enquadrava nas características do “grupo de tentantes”, no fundo me doía este danado desse título e não via a hora de pertencer ao grupo das… Ex tentantes!
Já que estou aqui para lhes escutar, sempre tento expor ao máximo o que me chega. Não que resolverei algo mas faço questão de que este espaço seja de vocês para que se sintam compreendidas e acompanhadas, e que seja usado como uma espécie de desabafo para tudo o que lhes possa incomodar nessa jornada que já é bastante difícil.
Por outro lado consigo entender a tal expressão e chego até a admirá-la por sempre estar incentivando a todas que sigam tentando, afinal só se pode seguir sonhando se seguir tentando não é mesmo?
Então! A partir de agora, em respeito as que não se sentem bem em serem chamadas assim, tentarei  usar cada vez menos a denominação “tentante”, e me referir a vocês como “futuras mamães”, que acham? Porque acredito que todas que realmente sonham e correm atrás da maternidade assim serão! Ou gerando na barriga ou grávida do coração, ou seja todas que seguirem atrás do sonho serão MÃES!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
06 jan
E um dia sonhei MUITO

duas

Um dia sonhei MUITO, sonhei com um filho, passava um bom tempo imaginando como seria, se menino ou menina, a quem se pareceria… Claro que antes disso sonhava “apenas” em ser mãe, em conseguir ser mãe, em ter este direito à maternidade… Mas quando me entusiasmava nos sonhos chegava a me permitir sonhar como seria esse ser tão desejado… Quando então enfim chegou o meu dia! Minha morena, a cara e careta do pai e da avó materna, minha doce e braba Nana, exatamente como Deus tinha desenhado para mim e ela era a mais bela de todas, era única, era minha! E no ano seguinte quando menos esperava Papai do Céu me manda meu milagrezinho, a grande e mais linda surpresa da minha vida, minha Titina! Dessa vez bem parecida a mamãe, conseguindo ser tão linda quanto a irmã com belezas diferentes, mas preciosas e MINHAS filhas! E elas? São tudo para mim, não são apenas um pedaço de mim, são o melhor de mim. Minhas meninas, trelosas, espertas, felizes e amadas demais! Sonhei com uma, Deus me mandou duas, sonhei de uma forma e me mandou da melhor forma, da forma dEle, em todos detalhes, elas nasceram para mim e eu para elas, não tenho dúvida disso!
Então a sonhar sem medidas, sem limites, sem medo, mais e mais! Porque você nasceu para ser mãe de… E seu filho nascerá para ser SEU!!!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
31 dez
Ano Novo e “já deu tudo certo”!

anonovo

Assim como eu, minha irmã Aline teve que se submeter a tratamentos de reprodução assistida para conseguir engravidar do seu primeiro filho, porém ela conseguiu na primeira fertilização após 2 anos de que havia liberado e esperado… E me lembro bem que algo que me marcou ao acompanhá-la naquele processo foi uma música do Padre Marcelo Rossi, que ela e meu cunhado Gustavo cantavam a todo instante que se chama: “já deu tudo certo”. Eles dois tomaram posse daquela frase de uma maneira positiva e vitoriosa que era de chamar a atenção a qualquer um. Por um lado a fé deles de que daria certo, e do outro lado a confiança de que independente do resultado eles sabiam que aconteceria em algum momento e que “já tinha dado certo”, ou seja, que aquele filho tão sonhado estava a caminho. Eles não tinham dúvidas.E você? Acredita realmente na vinda do seu filho?  Eu lembro que eu sempre tive certeza absoluta que eu seria mãe, eu sonhava, imaginava como seria e acreditava totalmente que meu filho chegaria da melhor maneira e na hora certa na minha vida. Claro que tenho que lhes confessar que em alguns momentos fraquejei e me senti cansada de esperar, mas sempre esse meu desejo de ser mãe me impulsionava a seguir e não desistir, e com certeza se conhecesse esse louvor naquela época estaria na lista de tantos outros que eu cantava e me fazia tão bem.Então? Que tal se despedir desse ano e receber 2015 repetindo e acreditando que JÁ DEU TUDO CERTO?Vamos combinar assim, a meia noite feche seus olhos e diga para você mesma esta frase com muita fé, confiando que a maternidade tão sonhada será realizada em algum momento. Seu filho virá ao mundo para você e você está aqui para ser a mãe dele! Desde já brindo por um 2015 com muitos positivos, muitas grávidas, muitos processos de adoção finalizados e finalmente encontros de pais e filhos constituindo famílias que estarão realizadas. E eu estarei por aqui vibrando por cada uma de vocês.Deus nos abençoe. Muito amor sempre!E não esqueçam: já deu TUDO certo!
Feliz ano novo!!!!!!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
24 dez
Querido Papai Noel

arvorespezinhos

Querido Papai Noel,

Por cinco anos te mandei vários pedidos iguais ou similares…

-QUERO SER MÃE

-QUERO UM FILHO

-QUERO ENGRAVIDAR

E parecia que o senhor não me entendia… Chegava mais um Natal, e mais um, e mais um… e nada do meu pedido ser atendido. Ficava triste, confesso… Mas nunca me esquecia de agradecer tanto o que eu já tinha para celebrar a Noite de Natal… Um marido para sonhar junto comigo, uns pais atenciosos e sempre presentes, 3 irmãos maravilhosos, amigos verdadeiros, saúde, trabalho e motivos vários que alegrava a minha vida, mas faltava a realização daquele pedido…

Se passavam os anos e os Natais, se terminava um ano, um ciclo, e começava outro… Outro para encher meu coração de esperança e direito de me iludir de que no próximo lá estaria eu já com meu filho, nos braços ou na barriga… E nada… Até que no ano de 2006 meu Natal foi diferente! O senhor, Papai Noel, resolveu antecipar o meu presente e num dia ensolarado de outubro se confirmou o tão desejado presente que já estava no meu ventre! E como vibramos!!! Naquele ano a minha árvore era a árvore mais bela do Planeta, ela estava enfeitada só de coisas boas e a estrela que a coroava brilhava de tanta gratidão que eu carregava no meu coração!!!

Dois anos após, em 2008, acho que alguma cartinha que eu insistia em lhe mandar chegou atrasada e aquele pedido repetido chegou às suas mãos e o senhor resolveu me atender novamente, dessa vez me fazendo uma ENORME surpresa em março de 2008… Estava eu com a minha pequenina com apenas 7 meses passeando na casa do vovô argentino quando de repente comecei a não me sentir bem… Enjoada… Estava grávida de novo!!!

Poxa Papai Noel… O senhor demorou mas quando decidiu me brindar foi demais da conta! E meus Natais desde então, e para o resto da minha vida, serão especiais.

Mas sabe por que venho te escrever de novo Papai Noel? Sei que tinha prometido não pedir mais nada, mas venho lhe pedir por todas as mulheres que têm lhe escrito pedindo um filho e que neste Natal ainda não o receberam, e estão tristinhas… Quero então que o senhor olhe por cada uma delas e leve aos seus corações uma porção extra de esperança e tranquilidade, porque bem sei que o dia de cada uma delas também chegará!

Meninas, por algo criei este espaço… Me sentia incomodada que teria que compartilhar um pouco da minha história com vocês. Pensava eu que lhes podia ajudar de alguma forma e tenho observado e sentido que assim tem sido, graças a Deus. Mas quero também dividir com vocês o quanto tem sido enriquecedor para mim essa “troca”, esse carinho e confiança que algumas tem me brindado de se abrir, de expor seus sentimentos e de entender exatamente a minha intenção.

Que Deus as abençoe, que tenham um feliz Natal, mesmo ainda lhes faltando o tão desejado presente, mas seguindo acreditando e confiando que na hora exata serão mamães!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone