22 set
E a dura véspera do resultado do beta hcg

calendario

 

Para quem já enfrentou tratamentos de reprodução assistida ao ler o título deste post deve bem já ter noção do que falaremos… Após um minucioso processo de injeções de hormônios, ultrassonografias mil, entre outros tantos detalhes que fazem parte do panorama… Após a punção, já começa uma sucessão de esperas “sofríveis”, espera para ver se haverão óvulos viáveis para a posterior transferência, estando os  óvulos se aguarda a definição do dia e horário para que sejam transferidos (frio na barriga inevitável!), e enfim chega o tal dia da transferência! Ufa?!!! Agora que começa a espera mais difícil, espera regressiva de 12 dias que as vezes parecem que não passarão mais, se arrastam e judiam da gente por trazer com eles uma explosão de sentimentos…

Mas hoje especificamente venho lhes falar sobre um dia marcante nessa reta final, dia que o coração parece sair pela boca, dia em que você tem a consciência de que no dia seguinte tudo será definido, você saberá exatamente o resultado de toda essa entrega e luta! Bem me lembro no último tratamento que fiz… Na tal véspera a tardezinha me quebrei, chorei sem parar, apesar de toda fé que eu tinha naquele momento muitas coisas estavam em jogo, o rumo da minha vida inclusive em relação a este tema que era prioridade, e naquele momento medo, cansaço,  desespero tomaram conta de mim durante alguns minutos… Uma barra que só sabe quem passa!

Antes do tal dia véspera do beta voce tende a passar por uma série de fases, pelo menos foi assim comigo. Dias de me sentir mega gravida, positiva ao extremo, momentos até de me permitir fazer planos, de sonhar acordada com o grande dia do beta festejando, é claro! Como dessa euforia toda passar de golpe a momentos de receio, desanimo e a cabeçinha começar a querer pensar no “e se nao der certo…”

E durante esse período desde o início do blog venho constatando cada vez mais que a tal véspera do beta mexe demais com muitas mulheres…  Cada uma que viva da sua maneira, mas todas de maneira intensa e tensa em algum momento, e  principalmente neste último dia de espera, antes do dia decisivo e final dessa etapa.

E o que lhes venho dizer? Que você tem todo direito de se sentir assim, que você é humana e por isso nesse momento fraquejar pode fazer parte sim, afinal a “pressão”e a expectativa é ENORME. A sua vida nos últimos dias, nas últimas semanas, parou para girar apenas ao redor deste tema, tema este que vem carregado por um turbilhão de sentimentos. Então se tiver vontade de chorar chore, se tiver vontade de ficar quietinha fique, respeite o seu momento e tente pensar que falta menos, faltam horas para enfim ser descoberto se deu certo ou não o desenlace desse capítulo decisivo da sua história, que independente do resultado, apesar dos pesares, trouxe consigo amadurecimento, exercício da paciência, talvez aumento da sua fé e intimidade com Deus, sabedoria, entre outros que fizeram com que em 12 dias você crescesse e aprendesse lições através da arte de esperar o grande dia…

Respira fundo! E desde já meus parabéns a todas que chegaram até passar por esta prova, que não é para qualquer uma não, é apenas para grandes e admiráveis GUERREIRAS!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
13 set
Quero ser Mãe
Cláudia Collucci
Um dia eu estive no seu lugar, nas tentativas para engravidar, e  “de repente” sou para algumas de vocês “a Cláudia” que tanto me ajudou um dia…
Lhes explico… Na época da minha luta contra a infertilidade eu encontrei um cantinho similar a este. Um cantinho que me significava tanto, que me confortava, que me animava, que me fazia acreditar que deveria seguir e não desistir. Era um blog intitulado “Quero Ser Mãe”, maravilhosamente escrito por uma jornalista, a quem admirei desde o primeiro instante, desde a primeira leitura de um texto seu, chamada Cláudia Collucci. Jornalista da Folha de São Paulo, e que na época também estava nas tentativas para ser mãe. Então ela escrevia com precisão sobre o tema, ela sentia na pele exatamente o que eu e outras tantas mulheres sentíamos também, e ela além de não haver ainda conseguido engravidar, sabia de maneira ímpar como acalentar nossos corações. Cláudia foi MUITO especial para mim durante aqueles anos. Anos aqueles que parecem estar décadas atrás quando se refere à tecnologia atual, não existia whatsapp, instagram, as redes sociais mal existiam em comparação aos dias atuais, aliás a internet não havia chegado aos telefones, wi fi era algo inimaginável ainda, pelo menos para mim, hoje tão “dependente”…
Enfim, hoje, através de carinhosas mensagens tenho a honra e orgulho de me sentir um pouco “a Cláudia” na vida de vocês, tendo tido a responsabilidade linda de lhes acolher e de uma forma iluminada escrever algo que para algumas, naquele exato momento, era justamente o que necessitam escutar. Me lembro bem que muitas vezes chegava em casa a noite e ao abrir o computador e me deparar com uma nova mensagem daquele blog era uma alegria imensa! E aqui estou nesta posição anos depois… e é algo mágico ir sentindo que estou desbravando uma missão que tem enchido o meu coração e que tem me levado a este caminho novo e desafiador. São horas a mais de trabalho na minha vida, para quem não sabe trabalho 6 horas num Órgão Público e ainda tenho duas meninas lindas e sapecas, um marido para acompanhar e uma casa para administrar… Mas lhes confesso que tem valido a pena cada hora a menos de sono e um jogo de cintura louco para dar conta da melhor maneira, de tudo.
E quero seguir sendo “a Cláudia” na vida de todas vocês que me deixam entrar nos seus corações, que as vezes me deixam até dar pitacos nas suas vidas, que recebem chamadas e “puxões de orelha” virtuais através de palavras, mas sempre com muito carinho, no intuito de arrastá-las contra tudo que possa fazê-las desistir deste sonho da maternidade.
E mexendo no computador e organizando emails antigos encontro este que enviei para Cláudia em outubro de 2006… Email escrito na emoção, email sonhado, email “dívida” que eu sentia que deveria JÁ o quanto antes escrever para ela, que foi um grande suporte para mim, que me “deu a mão”,mesmo muitas vezes precisando de uma mão, mas que sempre estava por ali a me dizer através dos seus textos: “acredite!”
Com muita emoção divido com vocês aquelas palavras tão esperadas por mim naquele momento, que tenho gravadas no meu email até hoje…
Para você Cláudia Collucci meu eterno agradecimento!
“Cláudia querida, depois de 6 anos nessa espera,
finalmente no ultimo dia 06, após a 3. FIV, tive a
enorme satisfação de ver um numero que jamais esquecerei
na vida:271 – o resultado do meu beta! Tirei licença
do trabalho e nessas últimas semanas a minha única
prioridade é meu bebê tão sonhado que carrego no ventre… O
caminho não foi fácil, 2 operações por causa da
endometriose, tratamentos hormonais, 1 inseminação e 3 FIVS… A ansiedade com
certeza em alguns momentos esteve presente (inclusive, ainda,
por estes dias no princípio da gravidez) mas nunca
jamais deixei que tomasse conta do meu ser, da minha
vida. Acredito que ansiedade sob medida é legal, porque nos
faz crescer e “ambicionar” certas coisas e momentos
saudáveis da vida, mas nunca devemos ser prisioneiras
desse sentimento. Creio MUITO em Deus e nessa última
FIV (a qual de comum acordo com meu marido seria a
ultima tentativa) ACREDITEI de coração e me entreguei
por completo a cada detalhe do tratamento mas
principalmente a JESUS para que fosse feita a vontade DEle!
Necessitava dividir contigo que tanto me ajudou.
Beijo Taci”
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
08 set
Superação e Realização, Através de Barriga Solidária da Sogra!

historia insta

Hoje lhes trago mais uma história de esperança e superação… A história da seguidora Suzyane que, muito amavelmente, teve a sensibilidade de querer dividir conosco toda sua trajetória até a chegada da princesa Maria Cecília.
Cada uma de nós tem sua história, e o caminho até a maternidade para algumas se dá de forma mais difícil, tendo que passar por dores e perdas… O bom de histórias assim é confirmar uma vez mais que temos que acreditar que no fim tudo dará certo, e se nos tornar mães é o que mais desejamos, um dia conseguiremos! Seja através da barriga, seja através da adoção, seja numa gravidez própria, seja através de barriga solidária, como assim acabou acontecendo com Suzyane após ter vivido uma gestação e ter perdido a sua primeira bebê.
Antes de lhes compartilhar com vocês as palavras da Suzy para a gente, quero dessa vez lhe agradecer, agora em público, pela sua atitude de não hesitar em me procurar para dividir com tantas mulheres que com certeza estão precisando ler esta sua história, e que lhes ajudará com certeza a juntar forças e ânimo para seguir!
Preparadas? Com vocês um resumo da história de uma mulher guerreira, que sofreu, padeceu sendo mais uma vítima do descaso de um hospital público nesse nosso Brasil, mas que se reergueu e teve a benção de ter na sua vida a sua sogra, como um anjo para ajudá-la, gerando a sua filha tão sonhada.
“Casamos jovens, eu com 21 anos e meu marido com 22, sempre sonhei em ter muitos filhos, adorava casa cheia, meu marido tem mais 3 irmãos e quando íamos à casa dele e eu convivia com aquela barulheira eu tinha mais certeza que o que mais queria na vida era ter filhos!
Em 2009, morando em SP, decidi que minha hora de ser mãe tinha chegado, e logo após 2 meses de tentativas, para nossa alegria, engravidei de uma menina, gravidez normal, sem nenhum problema. Quando cheguei as 36 semanas de gestação comecei a sentir muitas dores do lado direito na barriga, ia no hospital (público), relatava as dores que vinha sentindo, faziam exames em mim e diziam que estava tudo bem. Um dia, numa dessas idas, foi constatado que já tinha 2 cm de dilatação, mas mesmo assim me mandaram para casa, diziam que não era a hora. Cheguei a ir uma semana inteira ao hospital, todos os dias com dores, mas seguiam afirmando que estava tudo bem com minha bebê e que não havia chegado a hora, mãe de primeira viagem, confiei. Até que chegou um domingo que acordei de madrugada com dores fortes, acordei meu marido e pedi para ele me levar à maternidade, eu não estava mais suportando as dores, nesse momento já eram insuportáveis. Ao chegar na maternidade e ser atendida a médica não podia nem tocar na minha barriga que eu não aguentava, foi detectado no ultrassom que já estava sem líquido e os batimentos da Rafaella estariam caindo, fui direto para sala de cirurgia para ser feita uma cesariana de emergência, em seguida minha filha nasceu e não chorou… Cheguei a ver seus pezinhos quando a retiraram… Perguntava para todos como ela estava e ninguém me respondia, até que surgiu uma médica que já me disse naquele momento que ela não havia resistido, e, ainda, que retirariam meu útero. A dor maior da minha vida, aos 24 anos de idade, foi naquele dia… Fui sedada e quando acordei já estava na UTI, onde fiquei por 5 dias internada, e após fiquei mais 10 dias internadas no quarto, dias de MUITA tristeza… Me lembro que um médico apareceu e me disse que devido a retirada do útero eu poderia pensar em ter um filho através de barriga solidária, era a primeira vez que escutava sobre, na verdade nem sabia do que se tratava e estava ainda tão arrasada que nem pensava em ter outro filho de imediato, eu queria minha Rafaella e a havia perdido… Minha sogra veio de Santa Catarina para São Paulo para cuidar de mim, nesse pós operatório traumático, quando lhe comentei sobre a barriga solidária de imediato ela disse que gostaria de gestar meu próximo filho, seu neto. Após sentir seu apoio e disposição corri para internet procurar sobre o assunto, até que encontrei um caso de uma mulher chamada de Veridiana de Belo Horizonte que seu filho tinha sido gerado também pela sua sogra e isso me animou. A conheci ela, tirei minhas dúvidas e escolhi a clínica IPGO em SP para já iniciarmos o processo. Demos início ao nosso tratamento em setembro de 2009 transferimos 3 embriões pra minha sogra com então 43 anos, depois de 12 dias  soubemos do resultado positivo! Minha sogra estava gravidíssima do meu filho, eu teria oportunidade de ser mãe como havia sonhado tanto! Minha sogra retornou a Santa Catarina, e eu fiquei em São Paulo, acompanhando a gestação diariamente através de telefonemas diários. Em maio de 2011, nascia a minha pequena Maria Cecillia que hoje tem 4 anos! Voltamos a morar em Santa Catarina para dar uma melhor qualidade de vida a ela, e hoje temos nossa família linda e completa.”



Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
04 set
Amém?

comeceadarcerto

Senhor, hoje te peço por todas as mulheres que esperam por seus filhos, mulheres que sonham em ser mães, mulheres que sofrem, que choram escondidas, que estão cansadas, que estão com os corações transbordando de muito amor esperando especialmente aquele serzinho tão desejado chegar. Mas sabe Senhor, elas são humanas e eu bem as entendo porque um dia estive no lugar delas durante anos, e tem dias mais difíceis que outros, tem dias que cansamos, tem dias que nos sentimos esgotadas e sem forças, não é nada fácil. É nessa hora que eu tento anima-las a seguir porque acredito nos teus planos para essas vidas, porque acredito que não é em vão brotar esse desejo tão lindo de querer ser mãe e se doar da melhor forma para um ser e não conseguir. Sabe Senhor, creio no teu tempo, acredito que bem sabes quando e como agir e realizar esse desejo tão latente e é por isso que sigo instigando-as para que não desistam, porque eu bem sei que tudo valerá a pena.
Essas mulheres são tão guerreiras que de repente quando pensas que elas vão desistir, arrumam ânimo para seguir, e aquele dia difícil passa e o amor e vontade de ser mãe as fazem seguir firmes nessa espera, espera muitas vezes dolorida, dura e crua, é a saudade de quem nunca se viu mas que já ama, é uma saudade até “louca” do desconhecido mas que de tanto sonhar já parece haver vivenciado os dias que ainda virão … Ô Senhor, enxuga todas as lágrimas e põe tua mão em cada coração, que elas sintam a tua presença tranquilizadora, e que todas que te pedirem com o coração sincero sejam atendidas, e se possível dar uma pressinha agradeceremos viu?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
03 set
A bebê Megan, um milagre!

afced21586

E quando tem que ser… é!!! Não adianta…

Divido com vocês um pouco da história da guerreirinha Megan, como mais uma prova de que milagres existem.

“Às 6 semanas de gestação, um aborto natural devastou essa família. Após a medicação abortiva para limpar o útero, o médico constatou que havia algo mais. Mirror.co.uk, que mora em County Kildare, na Irlanda, estava grávida de 6 semanas quando, enquanto caminhava na estação do trem no caminho até o banco onde trabalhava, ela começou a ter contrações e a sangrar copiosamente. Ela ligou desesperada para o marido e, aos prantos, disse que talvez estivesse perdendo seu bebê. Ela ainda caminhou de volta até sua casa porque ele estava cuidando dos outros dois filhos do casal, e juntos foram ao hospital Rotunda, em Dublin, onde os médicos lhe confirmaram que ela estava tendo um aborto natural. Foram feitos 5 ultrassons que mostraram que ela estava perdendo seu bebê. Após, ela ainda teve que se submeter a duas doses de medicação abortiva para limpar totalmente o útero e passou a noite no hospital para ter certeza que nenhuma parte do feto havia ficado. Ela então se recuperou e foi para casa arrasada. Alguns dias depois, os médicos a contataram e disseram que os resultados mostravam que ainda havia partes do feto que precisavam ser retiradas e ela passaria por um procedimento cirúrgico. No retorno ao médico e mais alguns ultrassons, foi detectado muitas sombras e muito sangue e coágulos, mas havia também outra mínima batida de coração. Os médicos, então abismados, descobriram que Michelle na verdade, estava grávida de gêmeos, e havia perdido somente um dos bebês, e o outro havia sobrevivido, praticamente por um milagre após os medicamentos abortivos para limpar o útero. Além de sobreviver, a pequena Megan nasceu saudável alguns meses depois.”

O link dessa matéria é o: http://familia.com.br/familia/gravida-ela-correu-ao-hospital-e-perdeu-seu-bebe-mas-um-milagre-surpreendeu-toda-a-equipe-medica?AmoFamilia080415

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
01 set
Novo Blog!
 nósabracadas
Um ano de blog… Não imaginaria chegar tão longe e tão carregada de coisas boas, e que chegado este momento estaria me sentindo tão mais completa! Porque graças a vocês me sinto assim! Todo aquele sentimento que tinha previamente ao blog só se confirma dia após dia e me indica que estou no caminho certo, conseguindo ajudar pessoas e alcançar corações, espalhando bons sentimentos e transmitindo ESPERANÇA.  Através de gestos e palavras, vindos de algumas de vocês durante este período, meu coração transborda de alegria e gratidão a Deus! Me sinto plenamente “usada” por Ele e aqui estou entregue a este projeto que só me faz crescer como pessoa!
Neste ano por aqui chorei e sorri, me emocionei demais! E hoje meu coração explode de gratidão!
Gratidão primeiramente a DEUS!
Gratidão a vocês que me permitem entrar nas suas vidas, opinar sem pedir licença, através de mensagens diárias e que muitas vezes chegam a fazer “barulho” de verdade, barulho bom, barulho do bem, barulho de reação em perseverar pelo sonho da maternidade!
Gratidão ao meu marido, meu assessor oficial, que sempre me apoiou, admirou e acreditou neste projeto, a ele e às minhas filhotas por terem paciência com minha ausência a mais por estar por aqui, e mesmo assim me animarem a seguir!
Gratidão a minha irmãzinha Aline e a uma das primeiras seguidoras do blog que virou amiga (Carol Ferraz), por sempre opinarem e darem seus sábios pitacos e palavras de ânimo desde o primeiro momento deste espaço.
E principalmente  obrigada, mais uma vez, a vocês! Por não desistirem, por escutarem bem a mensagem que digo e repito sempre porque tudo valerá a pena!
E por tudo isso e muito mais hoje lhes apresento um site novinho e lindo! Um espaço NOSSO! Feito e estudado com muito amor: o novo site do blog MATERNIDADE SONHADA!
Um lugar que acolhe e instiga sonhos! Um lugar baseado no maior do amores, no amor de MÃE, que já nasce antes mesmo da chegada do filho.
Sejam todos bem vindos! Mães, futuras mamães, casais, futuros papais, vovós, futuras vovós, enfim… toda família que sonha junto e entende bem a mensagem que venho tentando passar, dia após dia…
Em frente! E eu quero é mais!
Uma nova etapa e que o blog Maternidade Sonhada alcance cada vez mais pessoas de varias partes do Brasil… e do mundo!
Beijos, Taci
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
25 ago
Dr. Armínio

arminio

Hoje foi dia de reencontro! Para muitas que tinham curiosidade em saber quem foi o médico da minha primeira vitória… Lhes apresento: Dr.Armínio Collier! Ético, competente, dedicado, “parceiro”! Quando falo -e não canso de repetir- que a empatia deve ser obrigatória entre médico e paciente, principalmente no ramo da Reprodução Assistida, não é à toa. Foi o que existiu desde o primeiro momento, desde a primeira consulta, consulta aquela que tinha de tudo para ser a pior das consultas, sendo diagnosticada minha falência ovariana, e onde ele foi muito sincero comigo quanto as baixas chances de dar certo, mas que ao mesmo tempo me alentou que não eram nulas as chances, apenas mais baixas que as normais para uma mulher aos 31 anos de idade e daí me “convidou” a agarrar aquela oportunidade juntos para… GANHAR! E o resultado? Se chama Mariana! E assim foi que ele nos conquistou, e a ele toda nossa eterna admiração e gratidão! Querido Dr. Armínio, foi tão bom lhe rever hoje, rápido mas o suficiente para matar a saudade de estar novamente a sua frente, reconhecendo a sua grandeza, curtindo do seu sorriso que consigo arrancar automaticamente e reafirmando o excelente médico que foi decisivo na nossa caminhada. Todo o meu carinho!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
23 ago
Quarteto lindo!

quadrigemeascommae

Em outubro do ano passado li sobre um caso de gravidez quadrigemelar que muito me chamou a atenção e cheguei a postar sobre, lá no blog. Não era para menos visto que Ashley após anos de tentativas finalmente consegue engravidar através de uma fertilização um vitro. Até aí tudo bem, mas neste caso foram transferidos apenas dois óvulos e ambos se dividiram e resultaram em 4 lindas bebês!!! Segundo a matéria que li naquela época casos assim acontecem 1 vez entre 70 milhões, quando ambos óvulos se dividem! A reprodução assistida e suas “surpresas”… rs
A gestação evoluiu bem e esta semana fui à página que a mamãe Ashley e o papai Tyson criaram aqui no facebook para contar sobre a trajetória, desde que ficaram cientes dessa reviravolta linda nas suas vidas, e me deparei com esta foto que faltam palavras para expressar tanta beleza cor de rosa junta!!!
Se quiserem ler um pouco mais sobre este caso a página no facebook se chama “A Miracle Unfolding-Gardner Quadruplets”. 💕💕💕💕

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone