17 ago
Uma foto que diz MUITO

parto

O tipo de parto definitivamente não te faz mais ou melhor mãe, já frisei aqui o meu posicionamento sobre e mais uma vez deixo o alerta trazendo esta foto que a fotógrafa Helen Carmina publicou na sua página do facebook e que está rodando o mundo e gerando inclusive muita polêmica.

Nesse primeiro ano do Maternidade Sonhada por mais de uma vez presenciei mães angustiadas por este fato, mulheres que por terem lutado muito para serem mães e que conseguiram, e que se cobram demais! Querem que tudo saia perfeitamente bem, não se sentem no direito de ter medo, de ter dúvidas, pelo fato de estarem no estado que mais sonharam na vida: grávidas. Mulheres que são pressionadas e que se auto-pressionam a serem neste momento perfeitas. E mais uma vez lhes digo: sigam seus corações! Basta de cobranças. Você já estará acertando pelo simples fato de querer acertar! Você já é a melhor das mães por querer simplesmente dar o melhor de si, o seu melhor!

O que o seu filho necessita é te ter disponível para amá-lo e cuidá-lo. O tipo de parto, ao meu ver, é uma opção sua, que só corresponde a você opinar o que acredita ser o melhor para você e para o bebê, sempre auxiliada pelo seu médico de confiança.

Você, mamãe de primeira viagem, que mais do que ninguém está a caminho de um momento tão esperado e desconhecido, não se deixe levar pelas opiniões ou imposições alheias, se dê ao direito de viver da forma mais linda e intensa este momento tão sonhado e único! Sendo o tipo de parto um detalhe, e você e seu filho o principal.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
16 ago
Que seja feita a Sua Vontade…

futuramente

O tempo passa e vamos entendendo… Tudo vai se encaixando e vamos enxergando e entendendo o por quê de tudo ter acontecido daquela forma. Amadurecemos, viramos pessoas melhores, aprendemos a dar valor ao que realmente tem valor, tudo tem um propósito. Tudo chega no momento justo e quando você crê em Deus aí que tudo faz sentido, porque Ele está nos detalhes, porque Ele nos conhece como ninguém e bem sabe o que é o “melhor” e necessário nas nossas vidas. Se é fácil descansar nEle e seguir? Algumas vezes nem um pouco, mas se um dia chegarmos a esse entendimento e entrega de coração acredito que nosso modo de viver seria outro, seria bem mais fácil digerir e aceitar certos fatos.

Estes dias tenho passado por situações assim, que lhes confesso tem me deixado um pouco desestabilizada… De um lado uma pessoa amada que aguarda ansiosamente, após a segunda fertilização, o resultado do beta hcg. De outro lado uma querida que se descobre grávida e não queria de forma alguma… As perguntas sem respostas… O momento em que minha fé é provada e que opto por crescer um pouco mais, deixando os questionamentos de lado e agradecendo… Sim! Agradecendo pelas vidas daquelas pessoas e o agir de Deus nelas, porque prefiro acreditar que Ele está no controle e se assim é tento não me angustiar, e “apenas” confiar! E lhes garanto que nunca, jamais Ele me decepcionou, ao contrário, Ele me prova diariamente que está no comando de tudo, basta darmos permissão para Ele agir.

Que nas suas vidas você O convide a entrar e a que a Sua vontade seja soberana pois é o melhor com certeza, SEMPRE, por mais que você não entenda hoje… “Amanhã” tudo fará sentido.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
13 ago
Mulher gera o filho da irmã gêmea

irmãs gemeas2

Mais uma linda história de AMOR, puro amor… Lí esta matéria no site upsocl, em espanhol, sobre a história entre duas irmãs gêmeas idênticas: Allison e Dawn, e divido com vocês.
Quando Allison estava grávida com 30 semanas de gestação, foi diagnosticada com câncer de mama e teve que começar tratamento de quimioterapia de imediato. Logo depois, com 31 semanas, teve seu filhinho através de uma cesariana de urgência. Os médicos já lhe disseram que devido a este histórico ela não poderia mais ter filhos.
Dawn e Allison apesar de serem identicas fisicamente elas sempre tiveram personalidades bem diferentes mas mesmo assim sempre foram bem unidas. Dawn tem dois filhos: Jack de 7 anos e Ashton de 3 anos e Allison só tem o Dylan que nasceu há 6 anos naquela situação já citada. Há 6 anos Allison se tratou do câncer e está curada e tinha um sonho de ter aumentar a família… Foi aí que sua irmã gêmea Dawn decidiu lhe ajudar a realizar este sonho, estando disposta a gestar um filho a mais para sua irmã Allison.
E na semana passada, no dia 5 de agosto, Dawn deu a luz a um saudábel bebê que pesou 3 quilos e 600 gramas e mediu 52 centímetros, seu sobrinho!
Durante a gravidez Dawn quis manter em segredo o sexo do bebê para que soubessem apenas na hora do parto!
E Allison expressa em palavras para sua irmã toda sua emoção e gratidão: “Como posso começar a agradecer por esta generosidade e sacrifício que fizeste por mim durante estes meses? Você não só cumpriu um grande desejo que tínhamos há 6 anos, como também nos deste uma nova vida e uma família de 4 integrantes que jamais pensávamos que iríamos mais poder ter!”
Para ler a matéria na íntegra o link é o:
http://www.upsocl.com/comunidad/esta-mujer-dio-a-luz-a-un-bebe-para-darselo-a-su-hermana-gemela-que-no-podia-tener-mas-hijos/?utm_source=FBppal&utm_medium=Facebook&utm_campaign=fb
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
09 ago
Homenagem aos Futuros Papais

diadospais

Hoje é o dia dos pais e quero escrever para você que já é papai no coração, você que apenas espera o momento de tomar posse desse título tao esperado e almejado. Você que no dia de hoje merece sim já ser homenageado, talvez até MUITO mais do que alguns que já tiveram a oportunidade de se tornarem pais mas que passam por essa experiência como se fosse uma ironia do destino e nao cumpre dignamente esse papel tão especial, e que você aí daria tudo para estar no seu lugar.
Desde a minha época de tentativas para engravidar aprendí com meu marido o quanto deveria valorizar essa figura tão importante nessa caminhada difícil da espera pelo filho que não vem, vocês que são muitas vezes o suporte, a força, o porto seguro de mulheres fragilizadas pelas quedas no meio caminho, mulheres que em alguns momentos estão cansadas e que graças a vocês estão alí de pé em busca desse sublime sonho a dois, que insiste em não se concretizar.
Tenham certeza que seu dia chegará e assim terá uma linda história para contar àquele serzinho que virá, você será um verdadeiro super herói e a admiração do filhote será enorme ao saber que foi tão buscado e esperado por você e a mamãe que lutaram bravamente com a mais poderosa de todas as armas: o amor! Amor este que mesmo antes da sua existência já transbordava no seu coração, amor este que lhe faz sonhar acordado tantas e tantas cenas que você já se imagina com aquela criaturazinha, cenas que já te fazem babar e se emocionar apenas ao imaginar, amor que em alguns momentos chega a te fazer chorar, de repente até escondido porque afinal super heróis nos filmes nao choram, mas voce futuro papai é um super heroi mais que especial, você é um super herói movido por sentimentos, você é movido por sonhos e devido a isso você tem todo direito de algum dia ser “de verdade” e poder se entregar por alguns minutos a essa dorzinha da vontade louca de JÁ ser PAI.
Hoje agradeço, em nome de todas as futuras mamães, a sua presença tão imprescídivel nessa caminhada, hoje agradeço pelas vezes que você se faz de forte estando fraco, te agradeço por aqueles dias em que você diz que está tudo bem e sob controle, mesmo achando que não está, só para tranquilizar a sua companheira de caminhada, te agradeço enfim por ESTAR!
Falta menos para o grande dia. Acredite! Dia que enfim você será merecidamente chaamdo de PAPAI e que todos sonhos e anseios se tornarão realidade, dia em que você confirmará que tudo valeu a pena porque NADA se comparará a este amor único e infinito que lhe será apresentado por uma criaturazinha que literalmente te roubará o coração!!!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
02 ago
Bendita Progesterona!
progesterona
No último post sobre minha história terminei lhes contando sobre a emoção do tão sonhado resultado do beta positivo. Neste mesmo dia voltei para casa da minha mãe e não paravam os parabéns de todos os lados! A sensação era que estava sonhando, sensação esta que me acompanhou por diversos momentos até a hora do parto, acreditem! Havia chegado a minha hora após tanta luta e a ficha demorou a cair…
Sentia umas leves cólicas naquele dia, me chamou atenção e não lhes nego que desde então já estava um pouco apreensiva, mas pelo que tanto já havia pesquisado muitas mulheres sentem cólicas no início da gestação… No final da tarde recebo uma ligação do meu médico. Na hora do resultado do beta hcg eu já havia ligado para lhe avisar e ele ficou muito feliz, e me comentou que ainda faltaria sair o resultado da progesterona, que ele além do beta hcg já requisita para avaliar como anda o nível de progesterona que é de extrema importância para evolução da gestação. Pois bem! Atendo o telefone eufórica e de repente o escuto do outro lado da linha:
-Tudo bem? Como você está se sentindo?
-Muito feliz doutor!
-Além disso, algum sintoma? Está sentindo cólicas?
-Sim, estou sentindo umas colicazinhas mais fortes…
-Deite e fique de repouso. Sua progesterona deu bem baixa… Enviarei um enfermeiro para já começar aplicação de progesterona injetável. Vamos nos falando.
-Ok…
Naquele momento a euforia foi pausada pelo medo, não tive como controlar o receio de que não evoluísse a gestação. Fui direto para cama e fiquei ali imóvel. Já era final de tarde e mamãe já tinha chamado meus irmãos para ir para sua casa para festejarmos. Chegou o enfermeiro e me aplicou a progesterona injetável. Já vinha utilizando cápsulas de progesterona, mas o nível da minha progesterona estava tão baixo que necessitava esse suporte das injetáveis a mais.
Naquele mesmo dia do beta recebi os primeiros presentes para o bebê. A vitória não era só minha, a vitória era de muita gente amada que vinha torcendo há anos por nós. Primeiro chegou o maridão com umas flores lindas e um cartão mais lindo ainda… Nos abraçamos por minutos sem fim, não falávamos nada, as lágrimas escorriam pelos nossos rostos, mas dessa vez acompanhadas por sorrisos. Fomos dois bravos guerreiros e mais do que ninguém ele sabia o quanto sofremos e lutamos até aquele dia. E mesmo assim, com essa novidade da progesterona baixa, sentia que a luta ainda não havia acabado, mas também acreditava no fundo que daria certo. Meus irmãos chegaram, cada um com um presentinho, roupinhas, uma pelúcia, todos vibrando!
Segui sendo extremamente obediente e a pizza comi na cama, nem me levantei para compartilhar com eles na sala. Em primeiro lugar estava o repouso e todo cuidado que pudesse ter com o meu bem mais precioso que carregava ali no meu ventre.
A minha progesterona era rebelde, durante os dias seguidos continuei tomando diariamente a progesterona injetável e cheguei a repetir o exame e continuava baixa para uma gestante. O repouso era essencial, entrei com licença médica no trabalho e a determinação era de uso de progesterona injetável diariamente até o final do primeiro semestre de gestação, e assim foi feito.
Se dóia? Dóia sim, a agulha era enorme e grossa, a injeção era tipo oleosa, mas nada chegava aos pés do meu amor por aquele estado, estar grávida era tudo o que mais queria na vida, gestar meu filho estava além de dor, estava acima de qualquer coisa e por ele faria tudo o que me dissessem que seria para o seu bem, desde já. Durante todas as aplicações eu agradecia cada picadinha, picadinha esta que estaria me ajudando a alcançar meu grande sonho.
Um dia fui ao banheiro e tive um pequeno sangramento, me lembro que fiquei sentada observando aquele pouco de sangue e meu mundo parou. Senti literalmente meu coração doer, tive medo, muito medo. Deitei e liguei para o médico e a ordem era repouso absoluto e ultrassonografia no dia seguinte para observar… Acredito que foi um dos dias mais longos da minha vida. Não havia o que fazer, estava tomando dosagem máxima de progesterona, agora me restava apenas esperar.
Fui à clínica no outro dia logo cedo para fazer a ultra. Dirigir já não fazia parte da minha vida que girava em torno daquela gestação, e o menor esforço não era sequer cogitado pela minha pessoa. Entramos para ultra, vimos a imagem e lá estava o nosso bebê bem, graças a Deus!
Durante todo primeiro trimestre o repouso foi absoluto, a progesterona era rebelde e insistia em não subir ao nível ideal. Era viver um dia de cada vez, com muita fé e esperança dentro de mim. Eu havia conseguido e não queria nem pensar na hipótese de perder, eu já havia vencido e ponto final.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
22 jul
Romero Chegou!
romerochegou
Digamos que oficialmente o primeiro bebê “Geração Maternidade Sonhada” nasceu ontem! Digo oficialmente porque desde que começei o blog, há quase um ano atrás, é o primeiro nascimento que fui comunicada. Aliás, na verdade, acompanhei esta gestação desde o primeiro momento, quando minutos após a mamãe dele me ligou aos prantos anunciando essa notícia tão esperada!
Carol, foi uma das primeiras seguidoras do blog. Fazia pilates na clínica da minha irmã e um dia viu na página do facebook da minha irmã ela fazendo propaganda do Maternidade Sonhada, blog este que já chamou a atenção pelo nome… Ela foi lá apenas de curiosidade sem esperar muito, porque ,segundo Carol, ainda não tinha se identificado com nenhum até então com essa proposta… E adorou! De imediato Carol me escreveu um email e daí foram trocas e mais trocas de emails. Desabafo de um lado, conselhos e consolo do outro, uma sintonia linda e que nos despertou a curiosidade de nos conhecer pessoalmente, e isso aconteceu!
Nunca tínhamos nos visto pessoalmente, mas por um lado ela já era paciente e amiga da minha irmã, e por outro, mesmo sem conhecê-la, parecia que a conhecia a mil anos.
Carol já vinha de algumas quedas no meio do caminho, estava triste e desesperançosa no nosso primeiro encontro, que se deu numa creperia. Foi muita conversa, ela estava naquela fase de achar que não chegaria mais a vez dela e lá estava eu para insistir que chegaria SIM! E não é que pouco tempo depois daquele encontro, com um passado próximo de alguns prognósticos nada animadores, coitos programados e uma FIV negativa a danada engravida naturalmente??? Uma felicidade só! Como me lembro daquela manhã… Estava eu em casa e ela me liga! Já achei estranho porque nessa era do whatsapp e emails não nos comunicávamos via telefone… Era ela para anunciar que estava gravidíssima! Emoção e felicidade sem fim!!!
Essa gravidez veio a nos unir mais ainda! Por um lado eu até então animava Carol a seguir e não desistir da gravidez, mas por outro lado ela me ajudou muito, e ainda me ajuda no blog, me animando, me instigando, dando conselhos e algumas sugestões que são sempre bem vindas.
Passados os primeiros meses Carol confirmou que estaria esperando um menino! E juntamente com o maridão resolveram chamá-lo de ROMERO, em homenagem ao pai de Carol, falecido há muitos anos atrás e por quem ela nutre uma enorme e eterna admiração.
Hoje foi dia de ir pessoalmente à Maternidade conhecer Romerinho “ao vivo”, um dos bebês mais lindos que já conheci. Com certeza muito caprichado por Deus!
Carol e o papai de Romerinho? Babões, felizes, realizados! E isso é apenas o começo, lhes garanto! O amor só faz crescer!!!
E hoje pergunto a Carol, já sabendo bem a resposta que me daria: “e aí Carol valeu a pena TUDO o que você passou para ser a mamãe do SEU filho Romero?”
E que venham mais e mais filhos para TODAS as mulheres que sonham com a maternidade. Minha torcida será ETERNA!!!
euecarol

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
19 jul
Não Existe Culpado Nessa História

Resolvi escrever para vocês sobre um tema que na minha época num dado momento me atingiu e que vez por outra recebo mensagem de alguém com esse mesmo sentimento: culpa! Culpa por ser a responsável de nao poder dar um filho ao casal… E desde já grito para PARAR com isso!
Ontem recebi um email que transcrevo o trecho da frase que abordava este tema:
“Doi tanto. Sinto pelo meu marido, penso que se eu não for capaz de dar um filho – que é um sonho dele também –  ele tem o direito de querer uma mulher que tenha condições disso. Ele não precisa ser responsabilizado por um problema meu.
Você se sentiu assim?”
Se eu me senti assim alguma vez? Se eu cheguei a pensar assim em diversas ocasiões? SIM. Até um dia que resolvi expor isso para meu marido e nesse exato momento ele me fez enxergar o que passarei para vocês agora! Não existe um culpado nessa história! Existe sim um casal que sonha com isso e PONTO FINAL. Casal que se dispôs a correr atrás desse sonho juntos. E sabe como seu parceiro  e você aí que foi diagnosticada com o possível motivo para que a gravidez ainda nao tenha acontecido devem se sentir? Orgulhosos! Sim! Afinal vocês sairam da zona de conforto para travar uma luta contra a infertilidade, que nao é fácil! Sabe a quantidade de pessoas que sequer se animam a correr atrás desse sonho? Por tantos motivos alegados que vocês nem imaginam! Porque pode engordar, porque não gosta de injeção (e quem gosta?), porque tem medo de cirurgia, porque nao pode ou quer parar por uns dias a sua vida para fazer tratamento, e tantas outras desculpas mais!
Pessoas como você são pessoas especiais, pessoas que disponhem seus corpos, seu tempo, parte da sua vida a correr atrás de um sonho de duas pessoas, e seu companheiro que está ao lado deve mais que nunca se orgulhar por ter uma parceira tão admirável ao lado!
Lembro que após um tempo trabalhando a cabeçinha com essas idéias de me sentir a culpada, me quebrei e resolvi me abrir com o marido, disse a ele, morrendo de chorar e com dor no coração, que não era justo ele seguir comigo, porque eu nao poderia dar um filho para ele. Gente ele me surpreendeu me dando uma “bronca”, disse que jamais eu repetisse aquilo e que o “problema” era nosso e que o sonho era nosso, e que me admirava demais! E, ainda, me disse que antes do filho sonhado, estávamos nós dois, e isso é pura verdade! Não se deve esquecer do casal que se conheceu, se apaixonou devido a tantos motivos e de uma hora para outra, devido a dificuldades de ter um filho, joga toda história para o alto? Mais que nunca vocês devem se unir, se cuidar e seguir juntos! E aquelas palavras acalmaram muito a minha alma e me fizeram entender que ele estava certíssimo! E é essa paz que desejo que entre no seu coração.
Já basta tantos pesos que se carrega nesse caminho, desgaste emocional, financeiro, hormônios, picadas, alguns casos de cirurgias, negativos, em alguns casos abortos, dores e desabores, para ficar se martirizando ainda com culpa. De forma alguma! Reaja! Se valorize, se ame! Você é uma pessoa guerreira e corajosa, que resolveu lutar, entregar seu corpo, doar seu tempo, sem medir esforços e por uma causa tão nobre… O desejo de ser mãe (ou pai) falou mais alto e você aqui está se entregando a causa lindamente e deve mais encher o coração do seu companheiro de orgulho e muito mais amor por você a futura mamãe do seu filho.
Combinado então? Ninguém é o culpado! Página virada e em frente SEMPRE!!!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
15 jul
(RE)apaixone-se!

reapaixonese

Que foto hein? Mas a idéia é essa mesmo… Chamar sua atenção!!! Como anda a relação do casal? Super normal nessa espera dar aquela esfriada… Mas cabe a você estar atenta para não deixar “congelar”, o que se torna perigoso e as vezes até irreversível.
Algumas vezes aqui já falei sobre os tempos necessários que as vezes são “obrigatórios” em certas circunstâncias. No meu caso mesmo (cada caso é um caso lógico), nós (confesso principalmente o maridão) ficávamos alertas após cada “queda” (pós cirurgias, pós tratamentos sem sucesso) e dávamos um tempo. Tempo esse que de comum acordo era para tentar esquecer ao máximo o tema “tentativas” e focar em nós dois. Se eu esquecia? Em nenhum segundo, confesso, maaaas conseguia – me “obrigava” – a desconectar ao máximo e me entregar àquele período necessário para nós dois, período de reencontro, período de reacender aquela chama que vinha apagada devido ao stress embutido na luta contra infertilidade. E o mais lindo era reconfirmar que, na maioria das vezes, nos “reencontrávamos”! Sim! Estávamos ali, seguíamos existindo, eu e ele, ele e eu! Havia desejo, havia paixão, sentimentos que em certos momentos caíram no esquecimento, o que é super normal minha gente! Não é fácil lidar com hormônios, com desejo, com paixão, em meio a seringas, ansiedade e ultrassonografias, é muita pressão!
Então hoje o alerta vai para você e sua relação a dois. Não se esqueça de vocês! Tudo deve ter seu tempo e seu espaço e muita coisa está nas nossas mãos de sábias mulheres que somos.
Será que não está na hora de se (RE)apaixonar?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone