27 nov
Repouso após os tratamentos

repouso

Gente, este tema do repouso após os tratamentos muda bastante de médico para médico… Se você confia no seu médico siga em frente com todas suas recomendações, mas venho aqui lhes falar sobre minhas experiências.

A inseminação foi o primeiro tratamento de reprodução assistida que fiz, depois de realizada confirmamos que não seria o tratamento indicado para o meu caso, tendo em vista o grau da minha endometriose e a quantidade de aderências nas minhas trompas. Na inseminação o médico recomendou vida normal, nada de repouso. Ele me disse que teria que encarar como se tivesse tido uma relação sexual e pronto, segundo ele se tivesse de engravidar engravidaria de qualquer jeito. Óbvio que tomei alguns cuidados, evitei maiores esforços por conta própria, por achar que teria que desacelerar enquanto se confirmava ou não a possível gestação, mas repouso não fiz e não deu certo aquela tentativa.

Na segunda fertilização in vitro (a primeira tivemos que cortar o processo por não ter folículos a serem aspirados) fomos ao extremo. Já era outro médico e este me recomendou repouso absoluto! Quando falo em absoluto, falo em não se levantar nos dois primeiros dias nem para o banheiro. Fazia as necessidades numa paradeira! Não me esquecerei das dores de coluna que tive. Também me recomendou dormir barriga para cima sem nem virar de lado, por alguns dias (não me lembro precisamente quantos) e não foi fácil! Também não deu certo aquela tentativa.

Na terceira fertilização, o quadro era de OU TUDO OU NADA, poderia ser nossa última tentativa… Fizemos com outro médico e segui a risca suas recomendações. Nos 3 primeiros dias repouso absoluto, me levantando para ir ao banheiro e tomar banho, comendo na cama. Nos outros dias seguintes repouso relativo, podendo se levantar, caminhar, comer na mesa. Não dormia de bruços de forma alguma, aliás foram 9 meses assim. Comia o mais saudável possível, evitando comer qualquer coisa que me fizesse mal, tomando muito líquido e comendo muito inhame. Li que o tal do inhame é fonte rica de progesterona e a progesterona é grande responsável por segurar o embriãozinho, então foram quilos de inhame, fica a dica!

Revistas, livros, programas de TV leves, louvores e boas companhias favoreceram o cenário dessa espera, havendo no meio dias mais fáceis que outros, a ansiedade vez por outra apertava e não tinha como não estremecer ao pensar na possibilidade de mais um negativo… Mas até nisso daquela vez foi diferente, na maioria do tempo meu coração me dizia que já tinha dado certo.

Em nenhum momento me queixei do repouso, se era o que eu queria então TUDO valeria a pena e daquela vez como valeu! Lembro que na última consulta antes da transferência perguntei ao médico tudo o que estaria ao meu alcance para ajudar no processo, ele me disse e eu segui a risca:

-Não se abaixe, para nada! Gente podia cair o que fosse no chão e eu não me abaixava, jamais! No banheiro sempre tinha dois sabonetes, na dúvida caso um caísse.

-Evite dirigir. Essa foi drástica! Inclusive após confirmada a gravidez… Vendi o carro! Kkkkkkkkk Só comprei outro e voltei a dirigir após Mariana nascer.

-Evite esforços maiores… Nem precisa dizer né? Pisava em ovos!

-Baixe do salto. Sapatilhas e sandálias rasteirinhas estavam em todos os meus looks.

-Fuja de situações de stress. Me isolei ao máximo num mundo lindo e colorido rsrs, bem vindo era só o que me fazia bem, o resto dispensado!

Volto a dizer, cada médico tem suas recomendações a serem seguidas. Divido com vocês como foram as minhas, a pedido de algumas seguidoras que por curiosidade queriam saber.

Meu conselho? Na dúvida e diante das possibilidades: repouso!!!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Deixe seu comentário